A internet 5G interfere em aviões?

A internet 5G interfere em aviões?

A internet 5G já está disponível em todas as capitais brasileiras. Com o tempo, o padrão vai se popularizar e ser usado pela maior parte da população. No entanto, a expansão das redes 5G traz consigo uma preocupação relevante: será que a internet 5G interfere em aviões?

Toda essa preocupação não existe sem motivo. Como a internet 5G e a aviação trabalham com frequências bem próximas, uma pode sim interferir na outra. Mas em qual nível? É sobre isso que iremos conversar neste artigo.

Leia também
Internet 5G gasta bateria do celular?

Qual a diferença entre os tipos de 5G?

Tecnologias novas interferindo em tecnologias antigas

Em diversas ocasiões, as tecnologias emergentes causaram interferências em tecnologias já existentes e consolidadas. Um belo exemplo foi quando a tecnologia de telefonia móvel digital introduzida nos Estados Unidos começou a afetar cadeiras de rodas elétricas.

Elas passaram a ter comportamentos anormais devido ao sinal pulsante que interferia em seus controles. A solução foi a blindagem simples para interromper a interferência. Dessa forma, as cadeiras elétricas voltaram a funcionar corretamente e sem problemas.

Outro exemplo envolve um problema direto entre vida e morte. Estou falando dos marca-passos. Novamente, no início da era do telefone digital, esses aparelhos passaram a funcionar mal quando expostos a sinais de telefones celulares.

Para resolver o problema, os médicos recomendaram que os pacientes com marca-passo não carregassem o telefone no bolso da camisa. Como essa era uma solução temporária, posteriormente a blindagem de sinal foi a solução encontrada para resolver o problema. Ou seja, sempre que surge uma nova tecnologia, há o risco dela interferir em outras tecnologias já em uso.

Internet 5G e aviação civil

Um dos instrumentos mais importantes na aviação civil é o altímetro. Trata-se de um instrumento de medição de altitudes. Ele determina a altitude do avião em relação ao nível do mar, usando a pressão atmosférica como referência. Isso é importante para permitir que o piloto controle a altitude e o nível de voo da aeronave, o que é fundamental para a segurança do voo. Já deu para perceber a importância do altímetro, não é mesmo?

Mas onde entra o 5G nessa história? O radioaltímetro, em específico, funciona por meio de ondas de rádio na frequência da banda C, a mesma frequência em que a rede 5G irá trabalhar. Essa situação é motivo suficiente para desencadear um alerta.

A discussão foi retomada quando a Federal Aviation Administration (FAA) foi contra à autorização da Federal Communications Commission (FCC) para usar ondas de rádio recém-abertas para as redes 5G.

A preocupação da FAA é que os sinais das redes 5G possam interferir com os altímetros de rádio usados em pousos manuais e automatizados. Isso representa um risco real de segurança a pilotos e passageiros, podendo culminar em uma tragédia com centenas de vidas perdidas.

É preciso se adaptar

Enquanto as tecnologias evoluem, as diretrizes e padrões que organizam o ambiente baseado em espectro também precisam evoluir. Quando as cadeiras de rodas, marca-passos e aparelhos auditivos foram criados, por exemplo, eles funcionavam perfeitamente bem para a realidade da época. O mesmo acontece com o altímetro.

Os fabricantes se adaptam às realidades existentes ao projetar seus produtos. As empresas e órgãos responsáveis por desenvolver novas tecnologias não têm qualquer intenção de causar problemas, prejuízos materiais ou até mesmo perdas de vidas humanas.

Portanto, só é necessário que haja uma readequação, um redesenho dos produtos afetados para que eles passem a trabalhar em paralelo com as novas tecnologias.

Possibilidade de interferência é maior nos EUA

Os sistemas de navegação aeronáuticos usam as faixas de frequência que ficam entre 4,2 e 4,4 gigahertz (GHz). Esse espectro, chamado de banda C sem fio, é alocado internacionalmente. No caso da aviação, o principal uso desse espectro é justamente para enviar informações para altímetros de aeronaves.

Esse envio de informações é especialmente útil quando o avião está a uma altitude abaixo de 2.500 pés. O altímetro é um instrumento que facilita muito o pouso assistido por computador. Logo ao lado da frequência onde operam os altímetros, está a frequência de banda C utilizada para as redes 5G. Nos Estados Unidos, o uso da banda C é autorizado entre as faixas de 3,7 e 3,98 GHz.

Portanto, a possibilidade de interferência das redes 5G nas aeronaves é mais plausível nos Estados Unidos. No Brasil, essa frequência era utilizada para transmissões de sinal analógico e digital para TVs.

Ainda não há nenhuma comprovação real de que a internet 5G possa interferir no funcionamento adequado dos altímetros. Mas a possibilidade está sendo estudada com atenção. Trata-se de um assunto bastante complexo, mas que afeta apenas aeronaves trafegando nos Estados Unidos.

Sobre o Autor

Cearense. 34 anos. Apaixonado por tecnologia e cultura. Trabalho como redator tech desde 2011. Já passei pelos maiores sites do país, como TechTudo e TudoCelular. E hoje cubro este fantástico mundo da tecnologia aqui para o HARDWARE.
Leia mais
Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X