Intel Z68 e o Smart Response

Intel Z68 e o Smart Response

Ao introduzir o Sandy Bridge, a Intel conseguiu lançar uma linha de processadores bastante convincente, porém pecou na linha de chipsets. Como se não bastasse, a lei de murphy fez com que um sério bug nas portas SATA (presente apenas na revisão que chegou às lojas e não na revisão presente nas placas para review, que foram melhor testadas) atrasou o lançamento e comprometeu a imagem da linha. Os usuários interessados tinham que escolher entre esperar mais de um mês pela chegada das placas baseadas na revisão corrigida, ou comprarem placas com apenas duas portas SATA utilizáveis.

Mesmo desconsiderando o problema com as portas SATA, a linha de chipsets para o Sandy Bridge deixava bastante a desejar. Comprando uma placa com o H67 você tinha acesso ao vídeo integrado e ao Quick Sync (a engine de codificação de vídeos via hardware incluída na GPU que permite converter vídeos para assistir em outros dispositivos em tempo recorde), mas perdia as funções de overclock para o processador, enquanto ao optar pelo P67 você ganhava as funções de overclock, mas perdia o acesso à GPU integrada e ao Quick Sync, uma limitação causada pelo fato de o chipset não possuir o link FDI usado pelo vídeo.

Entre as placas de baixo custo, tínhamos o H61, uma versão simplificada do H67, que manteve o suporte a vídeo mas oferece apenas 10 portas USB, 6 linhas PCI Express e 4 portas SATA 300, eliminando as duas portas SATA 600 oferecidas pelo P67/H67 e o suporte a RAID. Além de mais barato, o H61 oferecia a vantagem de já ter sido baseado no step corrigido, sem ter apresentado o bug nas portas SATA. Um exemplo de placa baseada nele é a ECS H61H2-M3, uma placa sem nenhum recurso especial, mas que custa apenas US$ 70 nos EUA:

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X