RTX 4080 sofre para rodar Max Payne, lançado há 23 anos, com Ray tracing

RTX 4080 sofre para rodar Max Payne, lançado há 23 anos, com Ray tracing

Com o RTX Remix, a NVIDIA está inserindo um elemento prático que pode fazer com que muitos sintam vontade de jogar novamente algum game antigo, já que a ferramenta trabalha sob o aspecto da remasterização, incluindo elementos modernos, como o Patch Tracing – a versão mais completa da implementação do Ray Tracing -, DLSS, texturas generativas baseadas em IA, entre outras coisas num jogo que originalmente não oferecia isso.

O recurso já está disponível em beta aberto desde a semana passada, permitindo que modders baixem e façam a implementação. Um dos games que tem chamado a atenção devido à mudança visual com o uso do RTX Remix é Max Payne, lançado em 2001. Uma equipe de 3 modders são os responsáveis por essa remasterização chamada de Max Payne Remixed.

O resultado acaba sendo interessante não somente pelo aspecto visual, mas também por uma espécie de mix entre o passado e o presente. A modelagem do personagem remete ao passado, mas a ambientação está mais parecida com as técnicas de iluminação de jogos atuais, com a implementação do Ray Tracing.

No entanto, até mesmo para um jogo antigo, a implementação desses recursos podem representar um grande desafio em termos computacionais, até mesmo para a RTX 4080. O vídeo abaixo compara a diferença de performance ao rodar o jogo com e sem o RTX Remix habilitado.

Com o recurso desabilitado, a configuração que conta com uma RTX 4080 consegue levar o game a mais de 1.000 fps – em determinado trecho chegou a 1400 frames por segundo. Contagem de quadros que está acima do que qualquer monitor pode oferecer atualmente em termos de taxa de atualização.

Ao ativar o RTX Remix, a RTX 4080 teve dificuldades para manter o game na casa dos 60 fps. Esse limiar segue como o que muitos buscam para uma jogatina fluída – com exceção de um cenário competitivo – mas, neste caso do May Payne, pode ser visto como um framerate muito baixo, levando em consideração que o game executado é bem antigo. Além da queda de performance, ativar os efeitos de Ray Tracing no game também elevou o consumo, saltando de 180W para 300W.

E também é importante frisar que o teste com o RTX Remix ativo foi feito com base no DLSS 3.5 no modo qualidade; portanto, estamos falando de um cenário em que a resolução nativa da gameplay – 1440p – não estava sendo utilizado. Com o DLSS ativo, o game estava sendo renderizado em 1707 x 960 pixels.

Evidentemente que também é preciso inserir na equacação que estamos falando de uma implementação visual que não se trata de um lançamento oficial, em que uma grande equipe poderia refinar a otimização para que o produto final tentasse ter um impacto menor sobre o hardware.

Caso você tenha uma placa da linha RTX, e queira rodar o Max Payne com essa implementação do RTX Remix, já é possível. O responsável pelo projeto disponibilizou gratuitamente o mod que deve ser aplicado sobre o jogo original.

Você também deve ler!

83% dos usuários de placas da linha RTX 40 utilizam Ray Tracing, diz NVIDIA

Veja como ficou o jogo Tomb Raider de 1996 com Path Tracing

No fim do ano passado, a Remedy confirmou que remakes de Max Payne 1 e 2 estão em produção. Você está ansioso por isso? Curte essa franquia? Conte nos comentários.

Sobre o Autor

Editor-chefe no Hardware.com.br, aficionado por tecnologias que realmente funcionam. Segue lá no Insta: @plazawilliam Elogios, críticas e sugestões de pauta: william@hardware.com.br
Leia mais
Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X