Câmeras importadas agora terão isenção total de imposto

Câmeras importadas agora terão isenção total de imposto

Na manhã desta quarta-feira (23) o Senado Federal aprovou a isenção tributária para câmeras, filmadoras e outros equipamentos utilizados por profissionais do audiovisual. Sendo assim, estes itens poderão ser trazidos de fora sem ter que pagar as taxas exorbitantes de importação. Mas um detalhe: é preciso comprovar que você trabalha ou possui uma empresa no ramo do audiovisual.

Sendo assim, fotógrafos, repórteres cinematográficos, cinegrafistas e operadores de câmera poderão comprar suas ferramentas de trabalho por um valor mais em conta.

Leia também
Compras internacionais no cartão de crédito ficarão mais baratas com baixa no IOF
Governo reduz em 10% o imposto de importação de computadores e celulares

Este projeto de lei foi criado por Rodrigo Maia, ex-presidente da Câmara dos Deputados e que agora está de licença. Como foi aprovado pelo Senado, o próximo passo é a sanção presidencial.

E quais impostos foram zerados? O imposto sobre importação, obviamente, e também o Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e as contribuições do PIS/PASEP e Cofins. É válido ressaltar também que este benefício só é válido para produtos vendidos no exterior. Portanto, se uma câmera fotográfica ou filmadora for vendida legalmente no Brasil, ela já não se enquadra neste benefício. A lei, que começa a valer a partir da sua publicação, tem um prazo de vigência de 5 anos.

Regras para aproveitar o imposto zero

Mas há algumas regras que devem ser seguidas. A primeira delas é que há um limite para a isenção fiscal. Apenas compras que não excedam R$ 50 mil em equipamento fotográfico terão os tributos zerados. Isso dá mais ou menos Isso dá pouco mais de US$ 10 mil em conversão direta.

Outra regra é que os equipamentos comprados no exterior deverão ficar sob a posse do proprietário original por, no mínimo, 2 anos. Além disso, você deve comprovar que trabalha no setor de audiovisual. Para isso, basta apresentar a Carteira de Trabalho ou Previdência Social que prova que você é fotógrafo, cinegrafista, repórter cinematográfico ou operador de câmera.

No caso de pessoas jurídicas ou profissionais autônomos, é preciso apresentar o contrato com a empresa, inscrição do INSS (Instituto Nacional de Segurança Social) e dados da contribuição previdenciária.

Benefícios ao setor de audiovisual

O senador Esperidião Amin, que votou favoravelmente ao projeto de lei, comentou que esta lei visa beneficiar o setor de audiovisual, pois promove a renovação tecnológica dos equipamentos utilizados nesta área.

A evolução tecnológica nesta área trouxe novas necessidades para os profissionais brasileiros, prejudicados pelo alto custo dos equipamentos importados e pela tributação aplicada sobre eles”, disse Amin em seu voto para aprovar o projeto. Sem essa lei, ele argumentou que a produção audiovisual no Brasil ficaria muito defasada em poucos anos.

E este limite de US$ 10 mil é bem razoável para este segmento. Com exceção dos equipamentos de cinema, como câmeras IMAX, todos os outros equipamentos de gama média estão dentro desse valor. Por exemplo, é possível comprar mais de 10 câmeras da linha C da Canon.

E falando em equipamentos top de linha, a Blackmagic URSA 12K, que é a câmera mais avançada da marca, custa menos de US$ 10 mil. Um outro bom exemplo é o kit câmera avançada mais lentes. A Blackmagic Design Pocket Cinema custa em torno de US$ 2,500. E o kit com 4 lentes ZEISS Milvus ZE Super Speed custa cerca de US$ 7,200. Ou seja, um kit top de linha abaixo dos US$ 10 mil.

Fonte: Poder360

Sobre o Autor

Cearense. 34 anos. Apaixonado por tecnologia e cultura. Trabalho como redator tech desde 2011. Já passei pelos maiores sites do país, como TechTudo e TudoCelular. E hoje cubro este fantástico mundo da tecnologia aqui para o HARDWARE.
Leia mais
Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X