Tinder completa 10 anos. Saiba como ele transformou as relações e como será o futuro.

Tinder completa 10 anos. Saiba como ele transformou as relações e como será o futuro.

O Tinder, aplicativo de relacionamento mais famoso em todo o mundo, completa 10 anos. Desde seu surgimento, a plataforma acabou transformando vidas e mudando a forma como muitas pessoas lidam com o amor, sexo e relacionamentos em geral.

Em homenagem a essa data, hoje vamos relembrar um pouco as transformações proporcionadas pelo Tinder, como os anúncios de namoros começaram e como pode ser o futuro de plataformas como ela.

Leia também:

O que é o Match Time no Tinder?
Tinder Plus, Tinder Gold e Tinder Platinum: quais são as diferenças entre os planos?

Tinder foi um divisor de águas para relacionamentos

Tinder

Mesmo que nunca tenha usado o aplicativo, certamente você já deve ter ouvido falar no Tinder. O serviço de relacionamentos por aplicativo divide opiniões, com alguns não acreditando nessa forma de encontro, outros alegando que as pessoas nele só estão atrás de sexo casual e outros que realmente acreditam que podem encontrar o amor da sua vida ali.

E quem está certo? Talvez todos. Relacionamentos dependem de pessoas, e as pessoas são únicas. Muitos realmente encontraram o amor da sua vida no Tinder, e o aplicativo já foi responsável por diversos casamentos felizes.

E agora, com uma década no mercado, o Tinder já é líder nesse mercado de aplicativos de namoro online, mesmo com uma concorrência acirrada de mais de 1.500 outros apps com esse intuito.

Hoje em dia já se tornou comum os anúncios de namoro

Tinder

Embora atualmente seja muito comum que alguém faça uma conta no Tinder para encontrar um parceiro ou parceira, as coisas nem sempre foram assim. Acredita-se que a primeira vez que alguém fez um anúncio desse tipo foi em 1727. Uma mulher inglesa postou no Manchester Weekly Journal um anúncio, revelando que estava a procura de alguém para compartilhar a vida.

Infelizmente ela foi punida por esse anúncio e enviada para um manicômio por 4 semanas pelo prefeito.

Hoje em dia, mais de 300 milhões de pessoas postam anúncios do tipo em diversos tipos de tecnologias, principalmente com o celular e os aplicativos de namoro. Antes disso, os anúncios eram feitos em jornais, e alguns até contavam com uma coluna dedicada somente a isso.

Mulheres ainda são vítimas de ofensas no Tinder

Tinder

Como já dito no início da matéria, algumas pessoas conseguem sim encontrar o amor da sua vida através do aplicativo, mas outras ainda têm o pé atrás quanto a isso. Muitas pessoas acreditam que a fórmula do Tinder peca justamente por incentivar que as pessoas se interessem mais pela aparência do que personalidade dos pretendentes.

Muitas mulheres, inclusive, acabam se tornando vítimas de mensagens vulgares e ofensivas pelo aplicativo. Outras, revelam que a maioria das pessoas no Tinder estão mais interessadas em como elas se parecem do que com o que gostam ou têm a dizer.

Um estudo revelou que 34,57% das mulheres entre 18 a 34 anos receberam mensagens explícitas pelo Tinder ou imagens que não tinham pedido. Há também uma incidência de 19% dessas mulheres tendo recebido ameaças físicas.

De acordo com a socióloga e pesquisadora do Instituto Francês de Estudos Demográficos (INED), em Paris, Marie Bergstrom, aplicativos com o Tinder são desconectados da vida social e trazem essa “segurança” de isolamento. Um homem não vai mostrar suas genitais no meio de um bar ou reunião de família caso se interesse por alguém nesses locais, mas no aplicativo isso acaba se tornando uma opção.

Mas e no futuro, o que pode mudar?

Tinder

De anúncios no jornal a perfis em aplicativos de namoro. As coisas evoluíram bastante nesse sentido, mas ainda não alcançamos o máximo de evolução possível. Uma das promessas para o futuro online é o Metaverso, e ele também pode ter bastante influência para as plataformas de namoro.

O Metaverso é um local digital que simula a vida real, onde cada usuário tem um avatar, ou seja, sua versão digital. Em breve, será possível participar de reuniões de forma virtual, por exemplo, ou encontrar amigos para jogar mesmo estando cada um na sua casa.

Em relação aos aplicativos de namoro, o Metaverso ainda é um pouco controverso, mas certamente terá um papel fundamental no futuro. Com a realidade virtual usada para acessar o Metaverso, será possível simular um “encontro” de forma ainda mais completa, como uma conversa mais íntima ou até mesmo simulando beijos e carícias.

Porém, apesar de parecer uma ideia bem interessante para quem procura por um relacionamento e quer conhecer alguém especial, também pode ser arriscado para aquelas pessoas que utilizam desses artifícios para atitudes impróprias. Esse mundo com realidade virtual pode amplificar essas situações mais incômodas, principalmente para mulheres.

Além de um agressor ter a possibilidade de expressar algo negativo, ele pode usar o personagem para fazer isso, o que torna a experiência ainda mais traumatizante para a vítima. Isso porque muitas pesquisas já mostram que experiências indesejadas que acontecem na realidade virtual podem sim ter efeitos psicológicos bem parecidos aos que surgiriam caso acontecessem no mundo real.

Pensando nisso, empresas como o Meta já introduziram algumas ferramentas de proteção, como o Personal Boundary, que impede que outro avatar se aproxime do seu, evitando assim qualquer tipo de toque ou gesto indesejado. Também há como denunciar e bloquear algumas pessoas.

Ainda assim, muitas pessoas ainda acreditam que o Metaverso pode ser benéfico em diversos outros pontos, como por exemplo a segurança. Será possível simular o encontro com alguém de forma virtual e ter essa experiência antes de se aventurar no mundo real, onde existe mais riscos e danos potenciais.

Aplicativos de namoro como o Tinder vão substituir os flertes pessoais?

flertes

Com o passar do tempo, a realidade virtual poderá trazer mais e mais possibilidades para encontrar alguém de forma “confiável”. Com isso, alguns especialistas acreditam que eles podem sim se tornar cada vez mais importantes e essenciais na busca de um parceiro ou parceira.

Um desses especialistas é a própria Bergstrom, que diz:

“Nunca houve um lugar específico para encontrar um parceiro. Agora existe e está se tornando menos aceitável abordar sexual e romanticamente em outros tipos de contextos. Este é o caso nos locais de trabalho. Costumava ser um grande site de namoro e agora é cada vez menos aceitável ter intimidade sexual com colegas”

Isso pode fazer com que as pessoas deixem de flertar em bares e festas, já que terão uma plataforma para isso. Além disso, pelo aplicativo ainda é possível ter uma ideia de quem é a pessoa e do que ela gosta, assim é mais fácil se aproximar daquelas que têm interesses em comum com os seus.

Ainda assim, tudo não passa de uma hipótese, já que não há como prever o futuro. Por enquanto, muitas pessoas ainda preferem conhecer seus parceiros da forma clássica, pessoalmente.

Fonte: lanacion

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X