Entendendo o Synaptic e o gnome-app-install

Entendendo o Synaptic e o gnome-app-install

Além do gerenciador de atualizações e da dupla apt-get/aptitude, o Ubuntu inclui também o “gnome-app-install” (Aplicativos > Adicionar/Remover), que serve como um gerenciador simples, para instalar aplicativos comuns:

Ele é um aplicativo destinado a iniciantes, que permite instalar os programas mais usados com dois cliques. A principal vantagem é justamente o fato de ele ser simples e mostrar apenas uma lista de aplicativos mais usados, excluindo bibliotecas e componentes incomuns,

Para quem procura uma opção mais avançada, está disponível o Synaptic (“Sistema > Administração > Gerenciador de Pacotes Synaptic”), uma ferramenta originalmente desenvolvida pela equipe da Conectiva, mas que hoje pode ser encontrada em diversas distribuições. Ele pode ser instalado em outras distribuições derivadas do Debian via apt-get e também pode ser encontrado no Fedora e em outras distribuições da família do Red Hat.

Uma dica com relação aos gerenciadores é que apenas um deles pode ser aberto de cada vez, pois o primeiro trava o acesso à base de dados do apt, fazendo com que o segundo reclame dizendo algo como “Impossível obter trava exclusiva”. Isso se aplica também a casos em que você está com o Synaptic aberto e tenta fazer alguma instalação via linha de comando usando o apt-get.

O Synaptic parece complexo à primeira vista e até certo ponto realmente é, mas ele permite instalar e atualizar pacotes e alterar todas as principais configurações do apt (incluindo as fontes de atualização), sem precisar se preocupar com os arquivos de configuração. Ele oferece também uma função de busca que é bastante prática na hora de encontrar pacotes que você não lembra o nome, ou para localizar qual pacote inclui um arquivo ou componente específico.

A parte que mais assusta ao abrí-lo pela primeira vez é a quantidade de pacotes disponíveis, já que ele mostra todos os pacotes disponíveis em todos os mirrors ativados no “/etc/apt/sources.list”, incluindo o Universe, Backports e outros. Os pacotes estão, naturalmente, divididos em categorias. Clicando sobre os pacotes, você vê a descrição e, nas propriedades, pode ver mais detalhes, como os arquivos que fazem parte do pacotes e suas dependências, ou seja, quais outros pacotes serão instalados junto, caso resolva adicioná-lo.

Os pacotes com o quadrado em branco são os disponíveis para instalação, os com o quadrado verde são os já instalados e os com o quadrado verde com a estrelinha são os que estão instalados, porém possuem atualizações disponíveis. O ícone do Ubuntu ao lado do quadrado indica os pacotes que fazem parte do repositório principal (ou seja, os que contam com suporte oficial), permitindo diferenciá-los dos pacotes que fazem parte do Universe ou de outros repositórios:

img_html_m36932617

O Synaptic permite marcar várias ações (instalar, remover e/ou atualizar vários pacotes de uma vez), por isso é interessante principalmente para quem gosta de deixar o micro ligado à noite baixando e instalando coisas. Assim como no Gparted, as modificações são realizadas de uma vez ao clicar no “Aplicar”.

Clicando no “Marcar Todas as Atualizações”, você instala de uma vez todas as atualizações, o que inclui não apenas as atualizações de segurança, mas também todas as atualizações gerais, para todos os programas instalados. Essencialmente, é o mesmo trabalho feito pelo gerenciador de atualizações.

É possível também usar o próprio Synaptic para adicionar e remover fontes de atualizações, através do “Configurações > Repositórios”. Na verdade, a opção simplesmente abre o “Canais de Software”, o mesmo disponível através do “Sistema > Administração”:

img_html_m2057d9c

Dentro dos menus você encontra mais algumas opções úteis. A opção “Editar > Consertar Pacotes Quebrados”, por exemplo, equivale ao comando “apt-get -f install”, permitindo resolver automaticamente problemas causado pela instalação manual de pacotes com dependências quebradas.

A opção “Editar > Adicionar CD-ROM” permite que você adicione CDs ou DVDs contendo conjuntos de pacotes como repositórios para o apt-get, de forma que o Synaptic instale pacotes a partir dos CDs ao invés de baixá-los da Internet. Você pode gerar as mídias usando o APTonCD, que oferece uma opção fácil para fazer download dos repositórios (certifique-se de ter bastante espaço em disco, já que repositórios como o Universe ultrapassam a marca dos 10 GB de pacotes). Ele pode ser obtido no http://aptoncd.sourceforge.net/ ou diretamente via apt-get (“sudo apt-get install aptoncd”). Se você acessa via proxy, pode configurar o Synaptic para utilizá-lo através do Configurações > Preferências > Rede.

Embora o Synaptic possa ser instalado no Kubuntu via apt-get, o fato de ele ser baseado no GTK faz com que ele não seja usado por padrão. O substituto tradicional era o Adept (que apesar de ser um projeto independente, tinha uma interface bastante similar à do Synaptic). Entretanto, a partir do Kubuntu 9.04 ele deu lugar ao KpackageKit, um gerenciador bem mais simples, baseado no PackageKit do Fedora

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário