LG G6

LG G6

A missão da LG quando anunciou o G6 durante a MWC 2017 não era nem de longe fácil, a companhia tinha que apresentar um telefone que fizesse as pessoas esquecerem do fracasso do LG G5, que tentou abraçar a modularidade, mas que fracassou de forma vergonhosa. No caso do público brasileiro, há um plus nessa missão, já que o G5 vendido por aqui, foi uma versão alternativa, o tal do G5 SE, que chegou com hardware capado, e que obviamente sofreu uma avalanche de críticas.

Para contornar os problemas da geração passada, o G6 aposta naquele conceito de que “time que está ganhando não se mexe”, e deixou de lado o conceito modular, e retornou ao formato unibody, adotado em larga escala pela indústria.  

Além de deixar de lado esse conceito que até então só a Motorola com o Moto Z conseguiu entregar uma boa experiência, a LG trouxe para o G6 o que eles chamam de tela Full Vision, com uma proporção de 18:9, inédita no mercado de smartphones. O aparelho que tem uma tela de 5,7 polegadas, se comparta na mão como um de 5,3 polegadas, tudo isso graças ao aproveitamento de tela de 80% relação ao corpo. É o caminho sem volta para que a parte frontal dos smartphones sejam cada vez mais ocupados por tela.

Recebemos da LG, o G6 para análise, e o colocamos a prova em diversos testes. Será que o G6 repara o papelão feito pelo G5? Confira abaixo!

Design:

É impressionante como nas imagens fica a sensação que o LG G6 é um telefone gigante, mas ao ter o contato com o aparelho o que se comprova é a sua portabilidade. O aparelho encaixa perfeitamente nas mãos, e mesmo utilizando o vidro Gorilla Glass na parte frontal (Gorilla Glass 5) e traseira (Gorilla Glass 3), não é escorregadio. 

O G6 mantém algumas similaridades com o seu antecessor, como o posicionamento das câmeras traseiras, e do botão power/leitor de digitais e o seu corpo com bordas arredondadas. No entanto, é bem mais refinado que o G5. Uma evolução natural e necessária.

Uma das polêmicas envolvendo o G5 foi a retirada do conector P2 para fones de ouvido, no G6 a LG se redime, e entrega o conector na parte superior. Na parte inferior há o conector para o USB Tipo C, essencial para a tecnologia de carregamento rápido que o aparelho entrega. Na esquerda há os controles de volume, e na direita a gaveta que acomoda o micro SIM e o micro SD (até 256 GB).

O aparelho também conta com a certificação IP68, o que garante resistência contra água e poeira, graças a essa certificação a LG diz que o aparelho pode ficar submerso em até um metro e meio de água doce por cerca de 30 minutos.  Além do modelo com a cor Astro Black, que foi o que recebemos para análise, há também uma variante Platinum. Para os que desejam dar uma disfarçada nas marcas de dedo que ficam na parte detrás, o mais aconselhável é o modelo Astro Black.

Conteúdo da embalagem do LG G6

Tela:

Confesso que gosto bastante das telas SuperAmoled da Samsung, e a coloco num patamar mais elevado, mas a tal Full Vision da LG faz bonito, mesmo sendo LCD IPS, o nível de preto é muito bom, assim como a reprodução das outras cores, tudo é bastante equilibrado, foge da saturação das AMOLED, dependendo da forma como o usuário gosta de desfrutar do conteúdo, a tela do G6 pode ser mais eficaz que dos seus concorrentes. Em relação a densidade de pixels, o G6 conta com 562 ppi, um pouco abaixo do S8, com 570 ppi.

Para quem está mais inteirado com os avanços da indústria, irá ficar bem contente com a possibilidade do LG G6 conseguir reproduzir vídeos com o HDR da Dolby, o Dolby Vision. Além desse padrão fechado de HDR da Dolby, o LG G6 também lida com o padrão aberto, o HDR10, que é mais difundido. 

No próprio telefone há um vídeo demonstrativo com a tecnologia em ação, e realmente a reprodução de cores é bem mais viva, assim como os detalhes, você consegue ter uma nova percepção do que está sendo exibido.  Os assinantes da Netflix do Plano Premium podem assistir algumas das produções do serviço de streaming, como, exemplo, a série Marco Polo, com Dolby Vision. O padrão de HDR aberto, HDR10, também é suportado

A tela de 18:9 impressiona no início, mas ao decorrer do uso pode ser meio frustrante, porque não são todos os app que fazem uso dessa proporção, mas quando tudo está devidamente ajustado, a experiência entregue é muito boa, tanto para a reprodução de vídeos quanto para jogos, por exemplo. No caso dos games, mesmo que a relação de aspecto 18:9 não seja a padrão, é possível clicar em um botão na parte direita da tela que permite forçar a inicialização nesse modo. 

Desempenho:

Como a Samsung resolveu não apresentar o Galaxy S8 durante a MWC 2017, o título de melhor smartphone foi para o LG G6, não que isso seja um demérito, mas caso o S8 fosse apresentado na mesma época, o G6 perderia por uma questão lógica, já que além de da tela de melhor qualidade, o aparelho da Samsung é equipado com o melhor chip da Qualcomm no momento, o Snpadragon 835, enquanto o G6, adotou o Snapdragon 821, o melhor SoC do ano passado. Provavelmente a ideia da LG era também adotar o 835, mas como a Samsung esteve envolvida no processo de fabricação do Snpadragon 835, ela obteve a vantagem de lançar o primeiro smartphone com esse chip. 

Diferentemente do LG G5, que foi colocado no mercado brasileiro com uma versão alternativa, o G5 SE, com processador (Snapdragon 652) inferior e menos RAM (3 GB em relação ao modelo internacional (Snapdragon 820 / 4 GB de RAM), o LG G6 vem com o mesmo processador e quantidade de RAM do modelo vendido em outras partes do mundo, porém, só há o modelo com 64 GB (a versão de 32 GB não chegou ao Brasil), e a bateria também é ligeiramente inferior, 3.230 mAh na versão brasileira, contra 3.300 mAh do modelo internacional.

O Snapdragon 821 que acompanha o LG G6 é um SoC com 4 núcleos baseados na arquitetura Kryo com clock máximo de até 2.4 Ghz. A GPU é a Adreno 530 rodando com até 652 Mhz. O desempenho entregue pelo LG G6 segue a sua faixa de mercado: a dos hig-ends, a combinação do Snapdragn 821, com os 4 GB de RAM, e a boa interface LG UX 6.0 garantem ao aparelho uma excelente performance, mesmo com uma boa quantidade de apps abertos ao mesmo tempo. 

Fizemos a tradicional bateria de testes com alguns softwares de benchmarks e games. Confira abaixo o resultado:

Obs; Todos os testes foram feitos com a versão mais atualizada do firmware do G6, e sem nenhum outro app rodando em segundo plano.

AnTutu Benchmak:

Começamos a bateria de testes com o AnTutu Benchmark, que utiliza diversas matrizes de medição, passando por testes de CPU, RAM, GPU, entre outras coisas para atribuir uma pontuação ao aparelho:

Pontuação alcançada: 11675

 

3DMark:

Rodamos também o popular software de benchmark 3DMark, desenvolvido pela Futuremark que estressa o aparelho ao máximo atribuindo uma pontuação ao dispositivo. Rodamos o Sling Shot Extreme que é a opção que o app dá como recomendada para o perfil do aparelho. O teste inclui iluminação volumétrica, efeitos de pós-processamento. O teste é rodado na resolução de 2560×1440 e é ajustada na resolução de tela do dispositivo, que no caso do LG G6 é 2880×1440 pixels.

Pontuação alcançada: 1794

PC Mark:

Com o Work 2.0 performance o PC Mark atribui uma pontuação ao dispositivo em relação ao seu desempenho baseado em tarefas do cotidiano como a renderização de páginas, edição de vídeos, edição de imagens, manipulação de dados, e a velocidade para lidar com arquivos PDFs.

Pontuação alcançada: 5413

Geekbench 4:

Por último rodamos o Geekbench 4 que também simula situações do dia a dia para determinar a pontuação single e multi core da CPU, e também a performance da GPU em lidar com processamento de imagens, por exemplo.

Pontuação single-core: 1781 

Pontuação multi-core: 4159

Pontuação GPU (compute): 7207

 

Games:

O Snapdragon 821 em conjunto com a Adreno 530 e os 4 GB aguentam de boa qualquer game presente na Play Store. Durante os testes rodamos N.O.V.A, AsphaltX e Injustice 2.

N.OV.A que é um excelente fps ficou ainda mais imersivo com a proporção 18:9 do G6, no caso do Injustice 2, por padrão o game roda em 16:9, quando forçamos a inicialização em 18:9, ficou evidente alguns engasgos durante os golpes e alguns cortes de câmera.

Som:

Os alto-falantes do LG G6 que ficam posicionados na parte inferior, próximo ao USB Tipo-C são muito bons e equilibrados, muito em virtude dos investimentos da companhia em um chip Quad DAC, uma versão aprimorada do que já é encontrado no LG V20. Graças a esse chip durante a gravação de vídeos é possível habilitar o modo Hi-Fi, que promete entregar alta-fidelidade de reprodução quando executados em reprodutores que também sejam Hi-Fi. 

Quando falamos da tela, comentamos que o LG G6 vem com um vídeo demonstrativo para que o usuário possa sentir o que é o Dolby Vision, no caso do teste do desempenho sonoro entregue pelo aparelho, há um excelente arquivo instrumental em FLAC, 24bit com taxa de amostragem de 192,0KHz, que desempenha esse papel de mostrar ao usuário o resultado da reprodução no G6. O par de fones que acompanha o G6 (que aliás, são bem bonitos) se sai melhor nos graves e médios, os agudos são razoáveis, e quando se está reproduzindo uma música com volume muito alto, o som passa a ficar totalmente estridente e você acaba esquecendo da música, e levando em consideração apenas que algo está incomodando seus tímpanos, mas nada que uma reduzida no volume não dê uma amenizada.

Câmera:

O uso de duas câmeras traseiras em um smartphone, é bastante útil, principalmente quando o objetivo é fazer o belo registro de uma paisagem. As câmeras presentes no G6 são excelentes, principalmente quando os disparos são feitos em ambientes com boa iluminação. Além da qualidade, rapidamente, até os usuários mais leigos conseguem entender o funcionamento e as ocasiões em que é melhor usar uma ou outra câmera.

Ao abrir o app da câmera, há duas opções na parte superior da tela, representada por pinheiros de natal, ao clicar nos desenhos é possível entender a função principal da segunda câmera: colocar mais elementos em cena, ampliar o campo de visão, que no caso dessa segunda câmera do G6 é de 125º. 

O LG G5 também foi lançado com duas câmeras traseiras, porém no G6 há uma evolução em relação ao sensor e a quantidade de megapixels. No G5 a câmera principal é de 16 MP, e a secundária é de 8 MP, no G6, ambas contam com 13 MP, gerenciados pelo sensor Sony IMX258.

A lente principal (teleobjetiva), oferece estabilização óptica, abertura f/1.8, e 71º de ângulo de visão. Na segunda (grande angular), a abertura é f/2.4 e entrega imagens com até 125º de ângulo de visão. Naturalmente, também há uma câmera frontal com 5 MP, abertura f/2.2 e 100º de ângulo de visão

Capturado com a lente principal, teleobjetiva

Capturado com a câmera secundária, grande angular

HDR desativado

HDR Ativado

HDR Ativado e capturado através do modo comida, presente no software da cãmera

Teleobjetiva

Grande angular

O software embarcado oferece ao usuário algumas opções interessantes como, por exemplo o HDR, aplicação de filtros em tempo real e modos (comida, câmera lenta, snap, entre outros). A proporção 18:9 também pode ser utilizada durante as fotografias (e até nas filmagens). Através da opção tamanho da foto é possível determinar a proporção em que será feita a captura. Quando utilizado os 18:9 é possível fotografar com apenas 8.7 MP.

Na hora da captura dos vídeos o LG G6 é ainda mais interessante, ao realizar a gravação no modo manual, há diversas que podem ser configuradas que impactam diretamente no resultado final, como os quadros por segundo, bits por segundo, e a possibilidade que o ÁUdio seja captado em alta fidelidade, o Hi-Fi, além de oferecer ao usuário um painel para controle de ganho, a redução de ruídos do fundo e até habilitar o filtro de barulho do vento.

Em termos de resolução o LG G6 consegue gravar em HD (com até 120 fps) Full HD (com até 60 fps) e 4K (com até 30 fps). Embora o resultado da gravação em 4K seja muito bom, a opção da estabilização de imagem só pode ser habilitada nas resoluções HD e Full HD. Um ponto positivo durante a gravação em 4K é que o telefone não fica muito quente e nem há travamentos, como acontece com outros modelos.

Bateria:

Enquanto no atrapalhado LG G5 a bateria era de 2800 mAh, no LG G6 há uma bateria não removível de 3000 mAh, que consegue seguir a cartilha básica de entregar um dia de uso sem a necessidade de fazer uma recarga, obviamente isso é completamente relativo, dependendo das atividades, a bateria pode terminar antes do fim do dia. 

O LG G6 acompanha a tecnologia de carregamento rápido, o Quick Charger 3.0, que funciona em conjunto com o carregador Turbo Fast e o resistente cabo USB Tipo-C. De 0% a 100% o telefone é carregado em 1 hora e 44 minutos. 

LG  UX 6.0:

O Android 7.0 Nougat roda no LG G6 com a interface UX 6.0 da própria LG, que conta com recursos desenvolvidos para que o usuário possa tirar proveito da proporção 18:9. Alguns desses recursos podem ser uma verdadeira mão na roda no dia a dia como a possibilidade de abrir dos apps ao mesmo tempo. Quem é muito vidrado em rede social, por exemplo, pode utilizar essa possibilidade para atualizar rapidamente mais de uma conta. 

O aparelho também oferece liberdade para que o usuário alterne entre três tipos de interface, cópia de segurança dos dados para uma possível restauração futura, além de permitir a transferência dos dados de um telefone antigo para o G6, com o recurso LG Mobile Switch. 

Como de costume há uma boa quantidade de apps pré-instalados, a grande maioria pode ser removida, ou pelo menos desabilitado. Alguns são bens legais como a rádio FM, e um gravador de voz em alta definição, que faz proveito do chip Quad DC do G6.

 

Especificações:

– Tela: LCD IPS de 5.7 polegadas com resolução de 2880×1440 pixels (562 ppi)

– Processador: Qualcomm Snapdragon 821

– GPU: Adreno 530

– Memória RAM: 4 GB

– Armazenamento interno: 32 GB (expansível para até 256 GB via microSD)

– Câmeras: dua traseira de 13 MP, frontal de 5 MP

– Conectividade: LTE Cat 9, Wi-Fi 802.11ac, DLNA, Bluetooth 4.2, GPS, USB-Tipo C

– Bateria: 3000 mAh com Quick Charger 3.0

– Extras: leitor de digitais na parte traseira, certificação IP68 (resistência à água e poeira)

– Sistema Operacional: Android 7.0 Nougat (com interface LG UX 6.0)

– Peso: 163g

– Dimensões: 148,9x 71,99 x 7,9mm

 

Pontos positivos:

– Construção

– Tela

– Câmera

– Som

– Tempo de carregamento

– Certificação IP68

 

Pontos negativos:

– Preço de lançamento

– A autonomia da bateria não impressiona

 

Veredito:

Com o G5 a LG tentou caminhar por uma região que poucos ainda sabem como explorar que é a modularidade, já com o G6 a companhia “pôs os pés no chão”, e lançou um produto mais fácil de compreeender e vender, e nem por isso deixou de inovar. A ideia da tela 18:9 embora não seja bem explorada todo o tempo foi uma sacada e tanto, que assim como outros recursos deve virar um padrão na indústria de smartphones. Falando de Brasil, a sul-coreana acertou em não trazer uma versão do G6 com hardware inferior, mas por outro lado errou feio em aplicar o preço de R$ 4.000, como o sugerido no lançamento. O mesmo preço cobrado pelo Galaxy S8, que conta com o SoC mais poderoso do momento. 

Por R$ 4.000 é impossível recomendar o LG G6, mas como já é possível encontrar o aparelho no mercado brasileiro por mais ou menos R$ 2.500, a sua excelente tela com proporção inovadora, bom conjunto de câmeras, e excelente ergonomia merece o nosso selo de produto recomendado.

 

Sobre o Autor

Editor-chefe no Hardware.com.br, aficionado por tecnologias que realmente funcionam. Segue lá no Insta: @plazawilliam
Leia mais
Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X