Instalação do WordPress

Para começar, baixe o WordPress no site www.wordpress.org (.org, não .com). O WordPress.org mantém o sistema para download e instalação, e o WordPress.com fornece a hospedagem gratuita do blog, mas não usaremos este.

Descompacte o conteúdo do arquivo do WordPress e carregue-o para seu site, usando o gerenciador de arquivos on line ou via FTP. Deixe numa pasta, por exemplo, www.example.com/blog (você pode renomear a pasta “wordpress” para “blog”, se quiser, ou ainda colocar o conteúdo dela na raiz do site, para ser acessado diretamente). Se estiver fazendo localmente, extraia para uma pasta que esteja em uso pelo servidor web.

Com os arquivos extraídos, é necessário alterar o arquivo wp-config.php. Ele guarda a configuração básica, informando o banco de dados que o sistema usará, e o login e senha de acesso a esse banco de dados. O WordPress vem com um wp-config-sample.php, você pode copiá-lo para a mesma pasta removendo o nome “sample”, ficando apenas wp-config.php. Antes de editá-lo, é necessário ter os dados de acesso ao banco de dados em mãos.

Você deve criá-lo usando a interface fornecida pelo seu provedor de hospedagem. Se usar o cpanel (comum em muitos hosts), localize a seção “Banco de dados”, e clique no “Assistente para banco de dados MySQL”:

m5b5f960

Ele apresentará uma série de telas intuitivas. Informe o nome do banco de dados (por exemplo, “blogdoze”) e clique em “Próximo passo”, ou “avançar”. Agora é necessário criar um usuário e uma senha. Defina o nome que quiser, e avance. Na última parte, você deve escolher os privilégios que o usuário criado deverá ter no banco de dados. Marque o item “Todos os privilégios”, ou “All privileges”. Antes de ir para o próximo passo, anote o nome do banco de dados, usuário e senha. Normalmente os servidores de hospedagem adicionam um prefixo aos nomes escolhidos (exceto na senha), que corresponde ao seu login no servidor de hospedagem. Veja:

7ac4d438

O nome do banco de dados ficou “exploran_blogdoze”, o usuário é o “exploran_teste” e a senha é a mesma senha definida (no exemplo, “teste123”). Definir uma senha é importante para que só você tenha acesso ao banco de dados e aos dados contidos nele, mesmo que outras pessoas saibam o IP do servidor e o nome do banco de dados. Ao clicar no próximo passo na imagem acima, o banco será criado – não se esqueça de marcar todos os privilégios!

Nota: se você já tiver um banco de dados, poderá usá-lo, sem precisar criar um novo. As tabelas usadas pelo WordPress começam com o sufixo “wp_”, que pode ser alterado no arquivo wp-config.php antes de começar a usar o sistema.

Se você mantém o servidor instalado na sua máquina, deverá criar o banco de dados no console do MySQL. Mostro como fazer isso aqui, nesta página do texto de instalação do Apache + PHP + MySQL no Windows:

Em suma, abra o prompt do MySQL, informe a senha de administração, e digite:

create database blogdoze;

Não se preocupe com a criação das tabelas, o sistema de instalação do WordPress fará isso. Crie um novo usuário atribuindo todos os direitos a ele, assim:

grant all on blogdoze.* to teste identified by ‘teste123’;

Onde o banco “blogdoze” deverá já estar criado, “teste” é o nome do usuário desejado e “teste123”, entre aspas simples, é a senha desejada. Note que neste caso não será adicionado sufixo algum ao nome do banco de dados nem ao usuário.

Feito essa parte, edite o arquivo wp-config.php (ou copie o “sample” e cole-o com esse nome) na pasta do WordPress. No começo do arquivo, temos estas indicações:

define(‘DB_NAME’, ‘putyourdbnamehere’); // The name of the database
define(‘DB_USER’, ‘usernamehere’); // Your MySQL username
define(‘DB_PASSWORD’, ‘yourpasswordhere’); // …and password
define(‘DB_HOST’, ‘localhost’); // 99% chance you won’t need to change this value
define(‘DB_CHARSET’, ‘utf8’);
define(‘DB_COLLATE’, ”);

Na primeira linha, na definição do DB_NAME, informe o nome do banco de dados (no lugar do “putyourdbnamehere”). Na segunda e terceira, informe respectivamente o nome do usuário e a senha. O ponto DB_HOST é muito importante, ele define o servidor do banco de dados. Na maioria dos casos você pode deixar “localhost”, o que indica que o servidor do banco de dados será o mesmo do servidor web (note o comentário na linha do arquivo de exemplo do WordPress). Em alguns provedores, no entanto, o servidor de banco de dados é outro; nesse caso você deverá trocar “localhost” pelo IP (ou hostname) do servidor. Informe-se com seu provedor, caso o localhost não funcione. Configurando com o exemplo citado, o arquivo ficaria assim:

m6463a470

De imediato, não se preocupe com as outras entradas do arquivo wp-config.php. Apenas comentando rapidinho:

O valor da variável $table_prefix (que vem como default “wp_”) é o prefixo que o WordPress adicionará aos nomes das tabelas em uso pelo blog no banco de dados. Altere-o apenas se você mantiver vários blogs no mesmo banco de dados, ou se quiser ignorar um blog existente e usar a instalação atual do WordPress para um novo blog, sem precisar reinstalar ou recarregar os arquivos.

E mais abaixo temos o define (‘WPLANG’, ”). Deixe-o assim:

define (‘WPLANG’, ‘pt_BR’);

para que o WordPress fique configurado para o português. Mas para que funcione, você deverá carregar o arquivo de tradução pt_BR.mo para a pasta wp-includes/languages, do WordPress. Esse arquivo pode ser baixado na Internet em alguns sites, vale uma busca no Google, pois varia um pouco para cada versão do WordPress. Ele traduz apenas a administração. A tradução dos textos no site final vai depender do modelo visual escolhido (já, já falo dos temas); dependendo do caso você deverá editar os arquivos do tema desejado manualmente.

Um bom lugar para conseguir traduções em português é neste site: http://pt.wordpress.org/releases/#latest (configure a linguagem no wp-config.php como pt_PT, neste caso, e mantenha os arquivos pt_BR.mo e pt_BR.po na pasta wp-includes/languages). Porém, está em português de Portugal. Geralmente ele é atualizado sempre com as novas versões do WordPress, sem muita demora. Para quem não entende inglês, pode valer mais a pena ter a administração do site em português de Portugal do que em inglês 🙂 Nessa página você também pode baixar o WordPress já previamente configurado para o português.

Uma página que pode ajudar os brasileiros, mas não oficial, é o http://www.wordpressbrasil.com, que traz várias dicas úteis.

Bom, com o wp-config.php atualizado com as configurações do seu banco de dados, acesse pelo navegador a pasta do WordPress, como se você fosse entrar no site. Como o banco de dados estará vazio (mais precisamente, sem as tabelas do WordPress com o prefixo indicado no wp-config.php), ele apresentará uma tela para a instalação:

70e7242e

Na primeira tela ele pede o nome do blog, o título que aparecerá no blog (isso sempre poderá ser alterado posteriormente), e um endereço de e-mail. Coloque um e-mail que você possa ler mensagens, não um e-mail fictício. O sistema enviará para ele mensagens de alertas quando postarem comentários no site, além das informações de login assim que concluída a instalação.

Deixe marcado o item que permite que o blog seja visível no Google e em mecanismos de pesquisas, só o desmarque se quiser que seu blog não seja indexado pelos buscadores – no caso de um blog privado, por exemplo.

Ao clicar em “Install WordPress”, ele criará as tabelas necessárias e também um usuário administrativo, com direitos de postar coisas no blog assim como alterar as configurações. Anote o nome de usuário (que geralmente é “admin”) e a senha criada automaticamente. Depois você poderá criar novos usuários (útil em blogs colaborativos, onde várias pessoas participam) e também trocar a senha de administração.

A administração do site com o WordPress se dará pelo caminho seublog/wp-admin. A partir daí você já pode se logar e começar a postar coisas. Por exemplo, se seu blog ficou em http://www.blogdoze.com.etc, a administração será acessada por http://www.blogdoze.com.etc/wp-admin.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X