Módulos úteis para desktops e laptops

Sistema

O módulo Sistema talvez seja o módulo mais útil e interessante para usuários de desktops. Expanda “Sistema” e você verá as categorias de administração disponíveis:

the_contents_of_the_System_module
Figura 6: o conteúdo do módulo “Sistema”

Logo de cara você vai notar alguns opções manjadas para usuários desktop: inicialização e desligamento, alteração de senhas, tarefas agendadas pelo cron, logs do sistema e usuários e grupos, só para mencionar algumas. Claro que tanto o Gnome quanto o KDE oferecem suas próprias ferramentas gráficas específicas para essas tarefas, mas o Webmin junta tudo num mesmo lugar. Ainda mais importante é um dos recursos matadores (e não tão óbvios) do Webmin: o fato de operar diretamente nos arquivos ao invés de armazenar as informações em um banco de dados, o que poderia provocar problemas de compatibilidade. Isso significa que você pode usar o Webmin tranqüilo, sabendo que se precisar ou preferir editar os arquivos do sistema da forma tradicional, pela linha de comando específica da sua distro GNU/Linux favorita, poderá fazê-lo sem causar nenhum desastre. Além disso, se fizer alguma besteira, os logs podem ser inspecionados pelo terminal, e há uma configuração que registra todas as alterações realizadas pelo Webmin. Se você quebrar alguma coisa com o Webmin, ainda pode recorrer à linha de comando como ferramenta de resgate. Não é a toa que o Webmin é descrito como uma ferramenta que pode ser facilmente combinada a outras. Para ilustrar esses recursos, vamos ver como o Webmin lida com a instalação de software.

Selecione “Pacotes de Software” no submenu e esta tela será exibida:

Webmin%27s_software_packages_module
Figura 7: o módulo de pacotes de software do Webmin

O Webmin vai detectar o seu sistema e o seu gerenciador de pacotes, mas se for preciso é possível ir além clicando no link Configuração do Módulo (acima, à esquerda), onde você poderá escolher o sistema e o gerenciador de pacotes, podendo inclusive escolher se vai usar o Apt-get ou o Aptitude para instalar e remover programas:

module_configuration_for_software_packages
Figura 8: configuração do módulo “Pacotes de Software”

Há várias opções de instalação: a partir de um arquivo local, via FTP, HTTP ou repositórios. Eu escolhi a última, que abre uma janela separada. Escolhi instalar o Karm. Os resultados são apresentados como links:

Webmin%27s_search_result_for_Karm
Figura 9: resultados da busca do Webmin pelo Karm

Basta clicar no link do Karm para instalar o pacote:

Webmin_successfully_installs_Karm
Figura 10: o Webmin instala o Karm com sucesso

Como você pode ver nas fotos, aqui o processo não é mais interativo, e o Webmin configura o Apt para responder sim a todas as perguntas (e isso não é o padrão na minha linha de comando). Eu acho bastante preocupante que o Webmin invoque a opção force do Apt-get. É óbvio que isso não deveria ser o padrão, já que pode sobrescrever arquivos do sistema, bem como afetar sua estabilidade. A única configuração que consegui localizar estava em Perl, em /usr/share/webmin/software apt-lib.pl, e continha referências específicas aos padrões para sim e force, mas como não sou muito versado em Perl resisti à tentação de tentar alterar o arquivo. Porém, como o Webmin age diretamente nos arquivos e não através de um banco de dados, o que o Webmin faz o Apt-get pode desfazer na linha de comando, e o Karm pode ser removido com segurança pelo seu gerenciador gráfico de pacotes ou pelo equivalente na linha de comando.

Também é possível explorar os programas instalados clicando no botão Package Tree (acima, à direita) que dá acesso a links para várias opções:

Package_Tree_reveals_a_list_of_installed_software
Figura 11: o botão Package Tree revela uma lista de programas instalados

É uma maneira simples de dar uma olhada rápida nos pacotes instalados sem ter que recorrer à linha de comando. Você pode se familiarizar com a estrutura de arquivos do sistema e ir descendo para outras pastas (o que é especialmente útil quando se utiliza um navegador com abas). Mas se você prefere a pureza e a simplicidade da linha de comando, o Webmin também pode ajudar. Assim como o módulo “Gerenciador de Arquivos”, o módulo “Command Shell” funciona por meio de um applet Java. Ele pode ser encontrado na categoria Outros:

default_command_shell
Figura 12: a linha de comando padrão

A saída do comando é exibida como a saída de um terminal comum:

command_shell_running_the_output_of_dmesg
Figura 13: módulo “Command Shell” exibindo a saída do comando dmesg

Porém, se quiser ver a saída do comando dmesg uma página por vez, acrescentar um | less não vai funcionar como no console. As man pages funcionam bem, mas não dá para iniciar aplicativos. É óbvio que a linha de comando do Webmin não é uma substituta viável ao terminal.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X