O Windows é seguro?

Até aqui vimos como tentar remover pragas que já foram instaladas. Mas… O melhor é prevenir, não remediar, não é? É melhor andar pela sombra do que ficar com dor de cabeça, é melhor usar blusa e guarda chuva do que pegar um resfriado. Vamos a algumas dicas então, que a maioria acha que todo mundo já está careca de saber (mas infelizmente, não é bem assim).

Use conta limitada (não de administrador) no dia-a-dia se puder, e mantenha o HD formatado em NTFS. Mais informações sobre o NTFS e a segurança aos arquivos podem ser vistas neste outro texto meu aqui no Hardware.com.br:

https://www.hardware.com.br/dicas/sistema-ntfs.html

Usar o Windows com conta limitada em partições NTFS é muito mais seguro, apesar de não ser agradável para o uso de alguns programas. Navegando assim, os malwares não poderão se instalar em pastas do sistema (como a system32, dentro da pasta do Windows) e não afetarão as outras contas de usuário, caso haja outros perfis no mesmo PC. É possível também rodar o IE (ou outro programa qualquer) como administrador, porém, sem direitos administrativos. Veja como no final desse outro texto:

https://www.hardware.com.br/artigos/reparando-ie/

Use um firewall. O do Windows XP SP2 é muito ruim (que me perdoe a Microsoft). De que adianta o sistema vir com um firewall se você deve desativá-lo e instalar outro, para mais proteção? Isso porque é um fato, o do XP SP2 protege contra invasões vindas da Internet, ou seja, protege contra acessos entrantes. Se um programa no seu PC tentar enviar um comando ou arquivo para a Internet, ele deixa (só bloqueia e alerta caso o programa tente ficar aberto em determinada porta, como um servidor, à espera de conexões entrantes).

Isso é ruim no caso de spywares: eles podem enviar dados (seus dados, suas senhas capturadas, por exemplo) sem que você tome conhecimento. O ideal é instalar um firewall de terceiro, que proteja o computador tanto de conexões de entrada como de saída, dando a possibilidade de você decidir se elas devem ser liberadas ou não. Um que tem versão gratuita e é muito usado é o ZoneAlarm. O Comodo também é bom e possui versão gratuita.

Como saber se o sistema está infectado? Se aparentemente seu computador funciona normal, e você quer saber se ele está infectado, pode valer a pena rodar um anti-spyware (como o SpyBot) ou até mesmo um antivírus, mandando fazer uma varredura completa. Aqui usamos os programas para aproveitar o tempo de processamento do computador, sua agilidade em comparar informações, em varrer vários arquivos e chaves do registro em busca de spywares conhecidos, etc. Usar um antivírus residente é o que eu não recomendo, pelo menos não uso, por ser definitivamente um item inútil (desde que você tome todos os devidos cuidados e outros). Não é para seguir uma receita, são um conjunto de atitudes que podem mudar isso. Se você se sentir mais seguro, fique com seu antivírus.

Além de usar programas de detecção, vale curiar no gerenciador de tarefas de tempos em tempos (dica: use o Process Explorer NT, que é bem melhor), no MSConfig, e ver se nada de estranho ou novo aparece por ali, sem que você tenha instalado.

Quer segurança? Cuide-se você. Eu não uso antivírus, continuo batendo o pé. Se você for firme nos seus atos, poderá não usar também. Basta manter o Windows atualizado, um firewall ativo (isso é essencial!) e o principal: não sair executando qualquer porcaria que chegue por email, não instalar controles Active-X no IE de sites suspeitos, não instalar qualquer barra de ferramentas no IE (elas atuam como programas, podendo fazer o que quiser!), não baixar anexos de emails suspeitos, sempre confirmar com quem lhe enviou antes de abrir um link de algum arquivo executável para baixar (principalmente se for de extensão .exe, .com, .bat, .cmd, .scr, .pif), etc.

Na sugestão de configuração mais acima, pedi para mostrar todas as extensões. Isso pode parecer ruim num primeiro momento para usuários básicos, mas permite que você identifique melhor o arquivo. Alguns mal intencionados colocam duas extensões nos arquivos, por exemplo, foto.jpg.exe. A última é a que vale: “foto.jpg.exe” é um programa, não uma imagem. Se as extensões não fossem mostradas, o Windows exibiria apenas “foto.jpg“, e os mais inocentes poderiam abrir, rodando o malware. Com elas sendo mostradas você sempre verá a extensão real. Se você der um duplo clique num malware ou vírus, estará autorizando a execução dele no computador, estará fazendo justamente o que o autor dele quis.

Não é que o Windows seja inseguro (mas claro que não é a melhor coisa em termos de segurança também, está muito longe disso ;), é a falta de informação e conhecimento dos usuários que o torna assim.

O Windows Vista não tem grandes mudanças estruturais com relação ao XP. Vendo-o e acompanhando a história do Windows, às vezes penso: “Puxa vida, estragaram o NT…“. O que mais se destaca no Vista em termos de segurança – e que ao mesmo tempo mais irrita os usuários, tanto é que boa parte opta por desativar – são as confirmações pedidas ao usuário para diversas tarefas e ações.

Você é o dono do seu computador, você decide o que quer rodar nele. Se você rodar porcaria, o Windows não tem culpa, ele irá executar a porcaria que você autorizou! O Vista pede muita confirmação, tudo bem, com isso você pode ver que se o usuário desse menos mole, teria seu Windows funcionando por muito mais tempo. Não estamos falando aqui de falhas do sistema (que quase todo software possui), mas sim de programas do mal em geral.

De nada adianta você ter saúde e andar seguro se alguém lhe assaltar na rua e te jogar no chão. Você vai cair, não vai? Quando programas do mal tentam invadir o Windows, a maior brecha está no usuário, não no sistema. Cuide-se! (Eu continuo sem antivírus 😉

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X