O básico

Por:
O Knoppix é uma distribuição baseada no Debian, que utiliza o módulo cloop para rodar a partir de uma imagem compactada. Além de dar boot diretamente através do CD, DVD ou pendrive, sem alterar os arquivos no HD, ele inclui uma série de utilitários, com destaque para o hwsetup, que se encarrega de detectar todo o hardware da máquina durante o boot.
rem_html_m3d734d1e
Não importa qual seja a configuração do PC: se os componentes forem compatíveis com a versão do Kernel usada, ele funciona sem nenhuma intervenção do usuário. Os scripts de inicialização podem ser editados, de forma a incluir suporte a componentes adicionais, que não sejam detectados pelo script padrão, ou executar funções adicionais diversas, como salvar as configurações em um pendrive ou num compartilhamento de rede.

Além do Kurumin, existem hoje em dia algumas centenas de distribuições baseadas no Knoppix ou distribuições “netas”, desenvolvidas a partir do Kurumin ou outra das distribuições “filhas”. As vantagens em relação a outras distribuições são:

1- Ele detecta e configura o hardware automaticamente, dispensando a configuração manual em cada máquina

2- Além de ser usado como live-CD, ele pode ser instalado no HD, mantendo a configuração e a detecção de hardware feita durante o boot. O próprio instalador pode oferecer opções adicionais e fazer modificações onde necessário.

3- Você pode instalar novos programas a partir dos repositórios do Debian, usando o apt-get, sem precisar manter pacotes ou um repositório externo.

4- O conteúdo do CD é compactado, o que permite instalar quase 2 GB de programas num CD de 700 MB, mais do que suficiente para uma distribuição completa. Os mesmos passos descritos aqui podem ser usados caso seja necessário desenvolver um sistema maior, destinado a ser gravado em DVD, ou uma distribuição compacta, destinada a ser gravada em um mini-CD.

5- É possível instalar drivers para softmodems e outros tipos de hardware não suportados por default, programas binários ou comerciais, e assim por diante. Você pode até mesmo usar o Wine para rodar alguns aplicativos Windows.
Existem inúmeras aplicações para a idéia. Você pode criar uma distribuição padrão para ser instalada em todos os PCs da empresa e, ao mesmo tempo, usá-la como uma forma de introduzir o Linux aos funcionários, mantendo o Windows instalado no HD. É possível criar CDs bootáveis com softwares diversos para apresentar a seus clientes; criar CDs para aplicações específicas, como discos de recuperação, CDs com documentação, e assim por diante. Só depende da sua criatividade.

Dentro da imagem do CD, você encontra apenas alguns arquivos pequenos, incluindo a página html exibida no final do boot, que variam de acordo com a distribuição. Dentro da pasta /KNOPPIX, vai o arquivo compactado com o sistema, que ocupa quase todo o espaço do CD.
rem_html_m7e69f261
Este arquivo nada mais é do que uma imagem compactada da partição raiz do sistema. O módulo cloop “engana” o Kernel, fazendo-o pensar que está acessando uma partição EXT2 no HD, quando, na verdade, os dados dentro da imagem vão sendo descompactados de forma transparente, conforme são requisitados.

Algumas pastas do sistema que precisam de suporte a escrita, como, por exemplo, os diretórios “/home” e “/var”, são armazenadas num ramdisk de 2 MB criado no início do boot. Este ramdisk pode crescer conforme necessário, desde que exista memória suficiente. Como nem todo mundo tem 256 MB de RAM ou mais, o sistema usa partições Linux swap, ou arquivos de troca encontrados em partições Windows, caso exista um HD instalado. Na falta dele, o sistema roda inteiramente na memória RAM, lendo os arquivos a partir do CD.

O módulo cloop foi originalmente desenvolvido por Andrew Morton, que é atualmente o mantenedor do Kernel 2.6. Na época ele achou que o módulo não serviria para nada interessante e o descartou. Algum tempo depois ele foi redescoberto pelo Klaus Knopper, que acabou o utilizando como um dos componentes base do Knoppix. É um bom exemplo sobre como as coisas funcionam dentro do open-source.

Nas versões recentes, o ramdisk é usado também para armazenar as alterações feitas com a ajuda do UnionFS. O diretório raiz contém um conjunto de links que apontam para diretórios dentro da pasta “/UNIONFS”, que é composta pela combinação do ramdisk (leitura e escrita) e da pasta “/KNOPPIX”, onde é montada a imagem compactada do CD (somente leitura).

Para gerar uma versão customizada, precisamos descompactar esta imagem numa pasta do HD, fazer as modificações desejadas, gerar uma nova imagem compactada e finalmente, gerar o novo arquivo .iso, que pode ser gravado no CD ou DVD.

Para isso, você precisará de uma partição Linux com 2.5 GB de espaço livre (no caso do Kurumin) ou 3.5 GB caso esteja remasterizando o Knoppix ou outra distribuição com 700 MB. No caso das versões em DVD, é necessário um espaço proporcionalmente maior. Calcule um espaço 5 vezes maior que o tamanho do sistema original, pois a imagem descompactada ocupa 3 vezes mais espaço e vai ser necessário guardar também a nova imagem compactada e o arquivo .iso final.

É necessário ter também uma partição Linux swap (ou um arquivo swap) de 1 GB, menos a quantidade de RAM do PC. Se você tem 512 MB de RAM, por exemplo, vai precisar de pelo menos mais 512 MB de swap. O problema neste caso é que o sistema usa a memória para armazenar a imagem compactada enquanto ela está sendo processada, copiando o arquivo para o HD apenas no final do processo.

Note que a quantidade de memória varia de acordo com o tamanho da imagem gerada. Ao gerar uma imagem maior, destinada a ser gravada em DVD, você vai precisar de uma quantidade proporcional de memória ou swap.

Todo o processo de remasterização pode ser feito a partir do próprio CD do Kurumin, ou da distribuição que está sendo modificada. Todas as ferramentas necessárias estão inclusas no próprio CD.

Uma observação importante é que é preciso usar a mesma versão do módulo cloop instalada no sistema de desenvolvimento para fechar o arquivo compactado. Em outras palavras, se você está fazendo um remaster do Kurumin, com uma versão personalizada do Kernel 2.6.16, por exemplo, você vai precisar instalar a mesma imagem do Kernel numa instalação do Kurumin no HD e fechar o novo ISO usando esta instalação.

Se você estiver rodando versões diferentes do Kernel, ou estiver usando outra distribuição, as versões do cloop serão diferentes e o novo CD simplesmente não vai dar boot.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X