Quatro cores pelo preço de três

Embora a ideia de um processador com 3 núcleos soe estranha para muitos, a AMD conseguiu fazer um razoável sucesso com o Phenom X3 e o Phenom II X3. Em ambos os casos, as versões com 3 cores nada mais são do que processadores quad-core com defeitos de fabricação, onde o core danificado é desativado em fábrica, resultando em um processador perfeitamente funcional, mas com apenas 3 núcleos ativos, que a AMD pode vender por um preço mais baixo.

O segredo que eles não contam é que muitos dos processadores das séries X3 e X2 são na verdade processadores quad-core perfeitamente funcionais, que têm um dos cores desativados simplesmente para satisfazer a demanda do mercado. Afinal, o índice de defeitos nos processadores oscila de uma maneira imprevisível, mas a demanda por cada mode continuam mais ou menos estáveis mês a mês.

Na maioria dos casos, a desativação dos núcleos, de parte do cache, ou de qualquer outro componente interno que o fabricante resolva desativar para diferenciar o modelo consiste em apenas uma variável no microcódigo do processador, que faz com que ele ignore o componente e se comporte como desejado.

No caso do Phenom II, um bug no firmware (ou talvez uma brecha acidental por parte da AMD) permite que o quarto núcleo seja ativado via software, a partir de comandos enviados pela placa-mãe. O “hack” funciona em muitas placas-mãe baseadas no SB750 e pode ser ativado através da opção “Advanced Clock Calibration” no Setup. Basta deixá-la com o valor “Auto“:

42bc6a2e

Esta é uma opção originalmente destinada a aumentar a tolerância do processador a erros, permitindo que os modelos antigos do Phenom atinjam overclocks um pouco maiores, mas no caso do Phenom II X3 ela ganhou uma sobrevida inesperada.

Muitas placas recentes oferecem também a opção “EC Firmware Selection“, que é um workaround contra uma atualização da AMD para bloquear a ativação dos núcleos adicionais. Quando presente, ela deve ser configurada com o valor “Hybrid“, que faz com que a placa use as funções antigas, desativando a atualização.

Caso sua placa-mãe seja compatível, basta ativar a(s) opção(ções) para que o sistema passe a utilizar o quarto núcleo, essencialmente transformando seu Phenom II X3 7xx em um Phenom II X4 9xx. A dica também pode ser usada em processadores Phenom II X2, nesse caso habilitando os dois núcleos desativados.

Para confirmar, basta verificar se surge um quarto medidor no gerenciador de tarefas do Windows, ou na saída do comando “cat /proc/cpuinfo” no Linux.

A possibilidade de um desempenho extra grátis acabou por atrair um grande volume de atenção, fazendo com que muita gente comprasse um X3 na esperança de “ganhar” um X4 de graça. O assunto ganhou tamanha repercussão dentro dos círculos técnicos que muitos levantaram a possibilidade de que esta seria uma brecha proposital da AMD, para conquistar algumas vendas adicionais em uma época difícil.

De fato, apesar do hype, o índice de sucesso é relativamente baixo. Em primeiro lugar, um número relativamente pequeno de placas são capazes de destravar o quarto núcleo e em outras você precisa utilizar uma versão específica do BIOS para ter sucesso.

Além disso, mesmo nos casos em que o quarto núcleo é ativado, ele só funcionará de maneira estável caso você dê a sorte de ter em mãos uma unidade “boa” do processador, onde o quarto núcleo não possui defeito algum e foi desativado apenas para completar a quantidade de unidades necessárias. Caso o quarto núcleo realmente seja defeituoso, ativá-lo não vai fazer bem algum, já que fará apenas com que o sistema exiba erros ou trave quando ele for usado. Em outros casos, o quarto núcleo pode funcionar sem erros, mas apenas na frequência default (eliminando a possibilidade de overclock) ou funcionar apenas a frequências mais baixas.

Na prática, a possibilidade de sucesso é pequena e a diferença de desempenho entre três e quatro núcleos não é muito considerável para início de conversa. Levando tudo isso em conta, não faz muito sentido perder tempo caçando processadores ou placas em que o hack funcione. No final da história, quem saiu ganhando mesmo foi a AMD, que acabou vendendo vários processadores a mais para os curiosos de plantão.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X