Athlon Barton e o Sempron

O Barton é uma versão do Thoroughbred-B com 512 KB de cache, lançada no início de 2003. É interessante notar que os 256 KB adicionais de cache adicionaram quase 17 milhões de transistores ao processador (totalizando 54.3 milhões, contra 37.6 milhões do Thoroughbred-B), mas aumentaram a área do processador em apenas 21 mm², totalizando apenas 101 mm².

A princípio, poderia parecer que a AMD decidiu utilizar um cache mais lento, como no caso do Pentium 4 com core Prescott, mas isso felizmente não aconteceu. O Barton manteve o mesmo cache com 16 linhas de associação e os mesmos tempos de acesso, de forma que não existiam desvantagens na nova arquitetura. O Barton é realmente mais rápido que um Thoroughbred em todas as situações, variando apenas a percentagem.

Como o Barton mantém os 128 KB de cache L1 e mantém o uso do sistema exclusivo, ele é capaz de armazenar até 640 KB de dados em ambos os caches, um número nada desprezível. Apesar disso, o ganho de desempenho em relação ao Thoroughbred é relativamente pequeno se comparado com o ganho do Pentium 4 Northwood sobre o Willamette, por exemplo, já que o Athlon já possuía um sistema de caches mais equilibrado, sem grandes gargalos.

Os maiores beneficiados pelo cache maior são os games 3D. Utilizando uma placa 3D rápida (onde o gargalo passe a ser o processador), o UT2003 rodava com um FPS 9% maior, enquanto no Comanche 4 o ganho era de 7%. A maioria dos aplicativos de produtividade rodava com ganhos modestos, de 3 a 6%. Apesar disso, o cache foi uma boa adição, que ajudou a tornar o processador mais equilibrado, sem aumentar o custo de forma considerável.

O Barton foi inicialmente lançado em três versões: 2500+ (1.83 GHz), 2800+ (2.08 GHz) e 3000+ (2.16 GHz). As três utilizavam bus de 166 MHz e mantinham compatibilidade com as placas anteriores, já que o Barton utilizava os mesmos 1.65v de tensão do Thoroughbred.

Mais adiante foram lançados os modelos 3000+ (agora a 2.1 GHz) e 3200+ (2.2 GHz). Estas duas versões utilizavam bus de 200 MHz, o que demandava uma placa-mãe compatível.

Uma observação é que o Barton 3000+ de 2.1 GHz era levemente mais lento que a versão anterior de 2.16 GHz, pois o aumento de 33 MHz na frequência do barramento não era suficiente para compensar a diminuição de 66 MHz no clock do processador. Devido ao grande cache L2, o Barton era menos dependente do barramento com a memória, de forma que aumentar a frequência do FSB tinha pouco efeito sobre o desempenho.

Outra curiosidade histórica é que o Barton 3000+ competia de igual para igual com o Pentium 4 Northwood de 3.06 GHz, embora a briga fosse apertada, com o Northwood ganhando em muitas aplicações. De uma forma geral, o Barton dominava os aplicativos de escritório e de produtividade e, embora com uma margem menor, também na maioria dos jogos. O Northwood, por sua vez, ganhava nos aplicativos de compressão de áudio e vídeo e também em alguns aplicativos profissionais.

Concluindo a série, foi lançada também uma versão do Barton com metade do cache L2 desabilitado (provavelmente modelos com defeitos no cache, onde era aproveitada a metade boa), batizada de Thorton. Ele foi vendido em quantidades limitadas, com frequências de 1.6 GHz (2000+) a 2.2 GHz (3100+). O índice de desempenho era calculado de forma diferente do Barton, já que com metade do cache desabilitado, o desempenho do Thorton era idêntico ao de um Thoroughbred do mesmo clock.

Com o lançamento do Athlon 64 e da plataforma soquete 754, o Athlon XP se tornou um processador de baixo custo dentro da linha da AMD. O problema é que essa posição já era ocupada pelo Duron, o que fez com que o Athlon XP acabasse posicionado no meio, atrapalhando tanto as vendas do Athlon 64, quanto do Duron.

Para colocar ordem na casa, a AMD decidiu descontinuar tanto o Duron quanto o Athlon XP em 2004, dando origem ao Sempron, sua nova linha de processadores de baixo custo.

O Sempron soquete A nada mais era do que um Athlon Thoroughbred-B, Thorton ou Barton, vendido sob um índice de desempenho um pouco “afrouxado”, onde o índice dos processadores foi aumentado em de 100 a 200 pontos, sem que fossem feitas mudanças na arquitetura. Basicamente, a AMD usou a linha para vender todos os processadores soquete A que ainda tinha em estoque, aproveitando enquanto havia procura.

A versão 2800+, por exemplo, era na verdade um Thorton, operando a apenas 2.0 GHz, enquanto o 3300+ era um Barton operando a 2.2 GHz. A explicação oficial é que no Sempron o índice passou a ser calculado em relação ao desempenho do Celeron D (que seria seu concorrente direto) e não mais em relação ao Pentium 4.

26f8e10c

Assim como na época do K6-2, a AMD manteve os Semprons soquete A por algum tempo no mercado após o lançamento do Athlon 64 e a linha de processadores soquete 754. Isso permitiu que a AMD se beneficiasse da grande oferta de placas-mãe soquete A de baixo custo.

No final, o Barton 3200+ acabou sendo o topo da evolução entre os processadores AMD de 32 bits, marcando o final da era dos processadores soquete A. Depois disso, a Intel entrou em seu período negro, andando para o lado com o core Prescott (no final da era Pentium 4), enquanto a AMD tomou a dianteira lançando os processadores de 64 bits. Esse foi o período de maior crescimento da AMD, onde, mesmo trabalhando com margens de lucro mais folgadas, chegou ao ponto de superar as vendas da Intel (em volume de unidades vendidas).

Em 2006 a balança voltou a pender novamente para o lado da Intel, com o lançamento do Core 2 Duo e os cortes de preços nos processadores antigos. Ao longo de 2007, a Intel recuperou boa parte do terreno perdido, enquanto a AMD se defendia reduzindo os preços dos processadores, assim como na época do K6-2.

Leia a quarta parte em: https://www.hardware.com.br/tutoriais/pentium4-processadores-64bits/

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X