Desempenho

Caso não fosse limitado pela memória, o Sumo ofereceria um desempenho similar à da Radeon 5570, o que seria fenomenal vindo de uma GPU integrada. Entretanto, a interface de 128 bits compartilhada com o processador limita o desempenho da GPU, resultando em um desempenho de 20 a 40% inferior ao oferecido por um Athlon II X4 com uma 5570 dedicada. Ainda assim, o Sumo oferece um desempenho bastante superior ao do Sandy Bridge (exceto em jogos limitados pela CPU, como o StarCraft 2) e mais do que suficiente para rodar jogos como o Metro 2033, Crysis Warhead, Call of Duty Black Ops e outros jogos atuais com uma qualidade gráfica moderada a até 1280×800. Em outras palavras, o Llano cumpre bem a função de atender a jogadores pouco exigentes, que não querem investir em uma GPU topo de linha.

Outro fator importante é que no Llano o clock das memórias afeta seriamente a performance da GPU. Este gráfico no Anandtech mostra bem a diferença entre o uso de memórias DDR3-1333 (HD 6550D) e DDR3-1866:

Você pode notar que ao usar memórias DDR3-1333 o desempenho se aproxima muito do oferecido pela Radeon HD 6450, enquanto com memórias DDR3-1866 ele fica mais próximo do da Radeon 5570, uma tendência que é consistente com outros testes. Como ainda vai demorar até que as DDR3-1866 se tornem populares, é mais realista comparar a Radeon 6550D integrada ao Llano A8-3850 com a caçula HD 6450, que embora ofereça apenas 160 núcleos de processamento, possui memória dedicada e por isso acaba não ficando tão atrás.

Para evitar que o compartilhamento com a memória prejudicasse em demasia o desempenho da GPU, a AMD implementou um sistema de controle de banda, priorizando o acesso à memória por parte da GPU em vez da CPU. Embora soe suspeita, a ideia faz sentido, já que a arquitetura paralela da GPU faz com que ela precise ser alimentada com um grande volume de dados para manter o desempenho, enquanto a CPU é mais influenciada pela latência. No sistema da AMD, a GPU têm prioridade no volume de transferências, mas a CPU tem prioridade em relação à latência, resultando em um sistema mais ou menos equilibrado.

Nas versões desktop, o Llano suporta memórias DDR3 1866 (até 29.8 GB/s de banda), enquanto as versões móveis suportam DDR3 1600 (devido às restrições em relação ao consumo), resultando em até 25.6 GB/s de banda. Outra diferença é que as versões desktop suportam o uso de até 4 módulos de memória, suportando até 64 GB, enquanto as versões móveis estão limitadas a dois módulos e 32 GB.

A GPU possui um barramento dedicado com o controlador de memória de 30 GB/s, o que assegura que ela possa utilizar toda a banda disponível nos momentos em que o processador estiver trabalhando com os dados do cache.

PCIe: O Llano inclui um total de 24 linhas PCI Express, sendo 16 delas dedicadas ao uso de GPUs dedicadas, suportando a construção de placas com um slot x16 (com as 16 linhas) ou de dois slots x16 com 8 linhas de dados cada uma. Das linhas remanescentes, 4 são dedicadas à conexão direta de dispositivos que demandam grande volumes de banda, como controladores Gigabit Ethernet e controladores de disco adicionais, enquanto as outras 4 são ligadas ao chipset, o FCH, ou Fusion Controller Hub.

O principal destaque em relação aos chipsets é que não existe a segmentação artificial ciada pela Intel para extrair mais dinheiro dos compradores. Em vez disso, a AMD optou por simplificar as coisas, oferecendo apenas dois chipsets: o A70M, que oferece 4 portas USB 3.0 e o A60M, uma versão mais barata que oferece as mesmas funções, com exceção das portas USB 3.0. Ambos oferecem suporte a 6 portas portas SATA de 6 gigabits, RAID e outros recursos básicos.

O calcanhar de Aquiles: Em termos de GPU, o Llano supera com folga qualquer processador com gráficos integrados que já tenha sido colocado no mercado. Mesmo com memórias DDR3-1333 ele supera a GPU do Sandy Bridge por uma grande margem e é muito provável que mesmo a GPU atualizada do Ivy Bridge continue atrás por uma boa margem. Naturalmente, a AMD vai aproveitar para basear o marketing neste aspecto da GPU, mostrando gráficos que mostram o Llano superando o Sandy Bridge por uma boa margem em jogos por exemplo (usando as GPUs integradas) e assim por diante. Entretanto, o Llano tem uma deficiência grave, que é o processamento, como ilustra bem este gráfico do Anandtech:

Indo diretamente ao ponto, não espere do Llano muito mais em termos de CPU do que você esperaria de um Athlon II X4. Ele é um pouco mais rápido devido aos 4x 1 MB de cache L2 e as demais atualizações, mas diferença fica na casa dos 3 a 5 % na maioria dos casos, pequena demais para ser notada na prática.

Em termos de processamento, ele concorre com os Pentium e Core i3, a base da pirâmide dentro da linha da Intel. Se você está preocupado apenas com o desempenho da GPU integrada, então o Llano é a melhor opção, mas se você pretende usar uma GPU dedicada (mesmo uma Radeon HD 6670 já vai oferecer um desempenho consistentemente superior), você vai ser mais bem servido por um Phenom II X4 antigo, ou por um processador dentro da linha da Intel.

Se você já tem um Athlon II X4 ou ou Phenom II, então o melhor caminho é simplesmente comprar uma placa 3D, já que o Llano não oferecerá vantagens em relação ao seu processador atual em termos de CPU.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X