Usando a interface de administração do ISPConfig

Depois da instalação, você pode acessar a interface de administração do ISPConfig através da porta 81 do domínio principal do site, como em https://meusite.com:81, ou através do endereço IP, como em https://192.168.1.103:81.

Como estamos utilizando um certificado auto-assinado, você recebe o aviso do navegador no primeiro acesso, avisando de que não é possível confirmar a autenticidade do certificado. Este mesmo aviso é exibido aos clientes quando eles se conectam, o que causa uma má impressão. Em um serviço de hospedagem profissional é recomendável obter um certificado reconhecido e pagar as taxas anuais.

O login padrão é “admin“, com senha “admin“, que, naturalmente, você deve trocar logo após fazer o primeiro login através da opção “Tools > General > Change Password”. O uso do HTTPS garante a segurança das informações de login (já que tudo é feito de forma encriptada) o que permite que você administre o servidor via Internet sem correr grandes riscos.

Logo na tela inicial, você tem um resumo da atividade do servidor, com o uso de espaço em disco, uso de memória RAM, uso de processamento, uptime, status dos serviços e outras informações. A partir do momento em que o servidor entra em produção, é importante monitorar essas informações continuamente, de forma a detectar problemas rapidamente, além de detectar gargalos e planejar os upgrades do servidor.

index_html_a19890b

Partindo do princípio de que é mais fácil para alguém que domina uma interface em inglês usar a versão em português do que o contrário, optei por utilizar screenshots do ISPConfig em inglês. Entretanto, embora o português não apareça entre as opções de instalação, ele pode ser usado depois que o ISPConfig está instalado. Para isso, vá no “Ferramentas > Mudar Idioma” e escolha “br” (disponível a partir do ISPConfig 2.2):

index_html_642ccace

A interface do ISPConfig é organizada em “abas” (Management, ISP Manager, etc.), cada uma agrupando um subconjunto de opções.

A aba “Management” concentra opções referentes ao próprio ISPConfig, incluindo a opção de desativar ou reiniciar serviços manualmente (Server > Services), editar as regras de firewall (Server > Services > Firewall), fazer backup da base de dados do ISPConfig (ISPConfig Database > Backup data), além de opções de solução de problemas e atualização do sistema:

index_html_3a7cb572

O sistema de firewall do ISPConfig trabalha em conjunto com o IPtables, gerando regras de firewall que são aplicadas conforme definido dentro da interface. Por padrão, ele abre apenas as portas 21 (FTP), 22 (SSH), 25 (SMTP), 53 (DNS), 80 (Apache), 110 (POP3), 143 (IMAP) e 443 (HTTPS), além da porta 81 (usada pela interface de administração) e da porta 10000 (Webmin).

Você pode abrir portas adicionais conforme necessário e também desativar portas referentes a serviços que não estiver utilizando, como no caso da porta do Webmin. Note que a porta do MySQL não fica aberta, pois o acesso ao servidor é feito internamente, através da interface de loopback.

index_html_m7cb966e9

A aba “DNS Manager” permite acompanhar a configuração dos domínios. Ao cadastrar um site no ISPConfig (detalhes a seguir) ele se encarrega de incluir a configuração da zona no Bind automaticamente. Todos os domínios cadastrados aparecem dentro da seção, permitindo que você altere a configuração e cadastre domínios manualmente, quando necessário.

O ISPConfig não utiliza o arquivo “/etc/bind/named.conf.local” e apaga a diretiva que faz com que ele seja carregado. Ao usá-lo, você deve colocar as configurações dos domínios configurados manualmente diretamente no arquivo “/etc/bind/named.conf“, logo após a linha “MAKE MANUAL ENTRIES BELOW THIS LINE”, como em:

//// MAKE MANUAL ENTRIES BELOW THIS LINE! ////
zone “gdhn.com.br” IN {
type master;
file “/etc/bind/db.gdhn”;
allow-transfer { 64.234.23.13; }; };

Se depois de incluir o primeiro site o domínio principal do servidor deixar de funcionar, verifique a configuração e mova a entrada referente a ele do arquivo named.conf.local para o named.conf. Não se esqueça de reiniciar o Bind para que a alteração entre em vigor.

Continuando, a aba “Web-FTP” permite definir e alterar as senhas de acesso ao FTP, que os usuários podem usar para atualizar os arquivos do site. Estas senhas podem ser editadas também pelos próprios usuários, como veremos mais adiante.

A aba “ISP Invoice” concentra as funções relacionadas à cobrança. Cadastrando os planos e as tarifas relacionadas a cada serviço, o sistema é capaz de calcular os valores das faturas de cada usuário. Ele não chega a oferecer opções mais refinadas, como gerar boletos bancários, por exemplo, mas nada impede que algum programador interessado desenvolva um módulo para adicionar essa função.

A aba “Tools” inclui algumas ferramentas adicionais, como um portscan e um cliente para pesquisas whois (que permite verificar a titularidade de domínios). A opção “Backup Manager > Backup” permite fazer um backup completo dos sites hospedados, incluindo os arquivos hospedados e as bases de dados do MySQL, diferente da opção “Management > ISPConfig Database > Backup data”, que faz backup apenas da base de dados com a configuração do próprio ISPConfig. O backup completo gera um arquivo compactado, que pode ser transferido para outro servidor via FTP.

index_html_6e67bdfe

A aba “Help” tem uma função mais importante do que pode parecer à primeira vista. Ela inclui links para a documentação do ISPConfig, como de praxe, mas inclui também o sistema de tickets de suporte, usado para dar suporte aos usuários (veja mais detalhes a seguir):

index_html_4053b73b

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X