Padrões

Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso; das placas mais baratas às redes wireless.

Estes padrões definem em detalhes a forma como os dados são organizados e transmitidos, permitindo que produtos de diferentes fabricantes funcionam perfeitamente em conjunto e são desenvolvidos pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), que é provavelmente a maior organização profissional sem fins lucrativos que existe atualmente.

O IEEE é o responsável por um grande número de padrões relacionados a comunicações, eletricidade, computação e tecnologia em geral. O grupo responsável pelos padrões de rede é o “IEEE 802 LAN/MAN Standards Committee”, que é por sua vez subdividido em grupos de trabalho menores, que recebem números sequenciais. Dentre eles, os quatro mais importantes são:

802.3: Este é o grupo responsável pelos diferentes padrões de redes Ethernet cabeadas, que inclui os algoritmos usados para a transmissão dos dados, detecção de colisões e outros detalhes. Existem diversos padrões Ethernet, que se diferenciam pela velocidade e pelo tipo de cabeamento usado. Por exemplo, o 10BASE-2 é o padrão de 10 megabits antigo, que utiliza cabos coaxiais, enquanto o 10BASE-T é o padrão de 10 megabits para cabos de par trançado.

Em seguida temos o 100BASE-T e o 1000BASE-T, que são, respectivamente, os padrões de 100 e 1000 megabits para cabos de par trançado. Embora menos usados, também existem padrões para cabos de fibra óptica, que são popularmente utilizados para criar backbones, interligando duas redes distantes.

Um dos grandes méritos do padrão Ethernet é que todos os padrões são intercompatíveis. Você pode juntar placas de velocidades diferentes na mesma rede e até mesmo misturar segmentos de rede com cabeamento diferente usando bridges. Nesses casos, as transferências entre nós de velocidades diferentes são feitas respeitando a velocidade do mais lento, mas a rede continua funcionando perfeitamente.

Na época da transição das redes com cabos coaxiais para as de par trançado, por exemplo, era comum o uso de hubs que combinavam portas para cabos de par trançado e um conector BNC, para o segmento com cabo coaxial. Estes hubs agiam como bridges, juntando as duas redes. Veremos tudo isso em mais detalhes no capítulo 1, dedicado ao cabeamento da rede e aos diferentes tipos de dispositivos usados.

802.11: Este é o grupo de trabalho para redes wireless, responsável pelos padrões 802.11b, 802.11a, 802.11g, 802.11i, 802.11n e outros. Com a popularização das redes wireless, o 802.11 se tornou um dos grupos de trabalho mais importantes.

No 802.11b a rede opera a 11 megabits, utilizando a faixa de freqüência dos 2.4 GHz, no 802.11a opera a 54 megabits, utilizando a faixa dos 5 GHz (menos sujeita à interferência), no 802.11g opera a 54 megabits utilizando a faixa dos 2.4 GHz (o que preserva a compatibilidade com o 802.11b), enquanto o 802.11n opera a até 300 megabits, com opção de utilizar a faixa dos 2.4 GHz ou dos 5 GHz.

Além de desenvolver padrões mais rápidos e mais acessíveis, o grupo se dedica a outra tarefa tão ou mais importante, que é o desenvolvimento de padrões de segurança, um dos problemas fundamentais das redes wireless.

Como o sinal é transmitido através do ar, não existe como impedir que outras pessoas interceptem as transmissões, tudo o que você pode fazer é embaralhar o conteúdo, de forma que ele não seja legível. É aí que entra o 802.11i, um padrão de segurança, que engloba o WPA e o WPA2, os sistemas de encriptação utilizados para proteger a rede. Estudaremos os aspectos técnicos e a configuração das redes wireless em detalhes no capítulo 3.

802.15.1: Este é o padrão referente ao Bluetooth, que apesar de ser mais usado em celulares e headsets, também é considerado um padrão de redes sem fio. A característica fundamental do Bluetooth é que os transmissores consomem pouca energia, o que permite que sejam usados em dispositivos muito pequenos.

802.16: Assim como o 802.11, o 802.16 também é um grupo de trabalho dedicado ao desenvolvimento de redes wireless. A diferença entre os dois é que o 802.11 desenvolve padrões para redes domésticas, enquanto o 802.16 trabalha no desenvolvimento de redes de longa distância, que podem ser usadas para oferecer acesso à web em grandes cidades, entre outras aplicações. O principal padrão produzido por ele é o WiMAX, que é um forte candidato a substituir as atuais redes 3G oferecidas pelas operadoras de telefonia celular no fornecimento de acesso à web nas grandes cidades.

Embora não sejam exatamente uma leitura didática, você pode obter os textos completos da maior parte dos padrões no http://ieee802.org.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X