Flash e SSDs

A principal concorrente dos HDs é a memória Flash, que também serve como unidade de armazenamento permanente, funcionando basicamente como um HD sem partes móveis. Além de ser encontrada em pendrives e cartões de memória, a memória Flash é usada também nos SSDs, que lentamente estão roubando o espaço dos HDs em PCs de alto desempenho e também em notebooks:

m75835c34

Chips de memória Flash em em SSD

Os SSDs são instalados em portas SATA e formatados exatamente da mesma maneira que um HD magnético. A maioria dos modelos oferece um desempenho bem superior ao de um HD, com taxas de transferência mais altas e tempos de acesso mais baixos. O grande problema é o custo por megabyte, que é muito mais alto.

Isso faz com que os SSDs sejam mais adequados como unidades de boot para a instalação do sistema e dos aplicativos e não para armazenamento de grandes arquivos. Em vez de vender as calças para comprar um SSD de 320 GB, você pode comprar um SSD de 80 GB e mais um HD magnético de 1 TB por muito menos.

Além da questão da capacidade, a grande diferença entre os SSDs e os pendrives e cartões de memória é o desempenho. Os SSDs usam controladores bem mais complexos e utilizam vários chips de memória Flash, que são acessados em paralelo, multiplicando o desempenho.

Os pendrives e cartões utilizam controladores muito mais simples, que são quase sempre combinados com um único chip de memória Flash, resultando em um conjunto muito mais lento e pouco adequado ao grande volume de requisições de leitura a que um HD ou SSD é sujeitado no dia a dia. Nas placas atuais, é perfeitamente possível usar um pendrive para a instalação do sistema (basta configurar a placa-mãe para dar boot através da porta USB), mas o desempenho é muito ruim.

Concluindo, temos a questão dos live-CDs. Tradicionalmente, o sistema operacional era sempre instalado no HD antes de poder ser usado. Enquanto está trabalhando, o sistema precisa frequentemente modificar arquivos e configurações, o que seria impossível em um CD-ROM ou DVD, já que os dados gravados nele não podem ser alterados.

Isso mudou com o aparecimento do Knoppix outras distribuições Linux que rodam diretamente a partir do CD-ROM. Neste caso, um conjunto de modificações “enganam” o sistema, fazendo com que ele use a maior parte dos arquivos (os que não precisam ser alterados) a partir do CD-ROM, e salve os arquivos que forem alterados em um ramdisk, criado usando parte da memória RAM.

Isto tem algumas limitações: o desempenho é mais baixo e as configurações são perdidas ao desligar, já que tudo é armazenado na memória RAM. Pensando nisso, muitas distribuições permitem salvar as configurações em um pendrive ou em uma partição do HD, criando uma espécie de sistema híbrido, que roda a partir do CD-ROM, mas salva os arquivos em uma unidade de armazenamento permanente. Outra possibilidade é instalar diretamente o sistema em um pendrive, o que (na maioria dos casos) resulta em um desempenho bem melhor, graças aos tempos de acesso mais baixos.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X