Fedora em pendrives

Outra dica é que você pode gravar as imagens de instalação do Fedora em pendrives usando o script “livecd-iso-to-disk”, que faz parte do pacote “livecd-tools”, que pode ser instalado usando o yum:

# yum install install livecd-tools

Se você não tiver outra máquina com o Fedora, pode simplesmente dar boot usando o live-CD e fazer a instalação a partir dele. Com o pacote instalado, basta rodar o script, indicando a localização do arquivo .iso e o device da primeira partição do pendrive onde ele será gravado, como em:

# livecd-iso-to-disk Fedora-11-i386-netinst.iso /dev/sdc1

A imagem do NetInstall é bastante prática nesse caso, já que é pequena, permitindo a gravação em pendrives que praticamente qualquer capacidade. Entretanto, se você pretender gravar a imagem em DVD, vai precisar de um pendrive de 4 GB.

Continuando, temos ainda os Fedora Spins, que são remasterizações do sistema desenvolvidas por voluntários, incorporando diferentes recursos. Dois exemplos são o Live-XFCE (uma remasterização do live-CD que utiliza o XFCE como ambiente de trabalho, no lugar do GNOME ou KDE) e o Live-Games, que inclui diversos jogos pré-instalados. Eles podem ser baixados no: http://spins.fedoraproject.org/

Você pode também desenvolver seu próprio Spin do Fedora, incluindo os pacotes que utiliza, ou criando uma personalização destinada a um determinado nicho. A diferença entre fazer um Spin do Fedora e criar alguma nova distribuição derivada é que os Spins preservam todas as características originais do Fedora, incluindo as ferramentas de configuração, utilitários, uso dos repositórios e assim por diante.

Um Spin nada mais é do que uma instalação personalizada do sistema, que atende ao propósito de oferecer um sistema personalizado, sem com isso obrigar o usuário a se adaptar a uma nova distribuição. Veja mais no: http://fedoraproject.org/wiki/Infrastructure/CustomSpins

Confira a segunda parte em: https://www.hardware.com.br/tutoriais/fedora2/

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X