O Intel P45

Continuando, temos o P45, mais um chipset mainstream, sem vídeo integrado, que marcou o ápice da plataforma LGA775.

Uma das principais características foi a migração para a técnica de fabricação de 65 nm (o P35 era ainda fabricado usando uma técnica de 90 nm, assim como o X38), o que resultou em um conveniente aumento nas possibilidades de overclock. Como pode imaginar, as fábricas que produziram o P45 são as mesmas que a dois anos antes produziam os Core 2 Duo baseados no Conroe e outros processadores de 65 nm.

Assim como o P35, o P45 inclui suporte tanto a memórias DDR2 quanto memórias DDR3, o que permite que os fabricantes escolham qual padrão utilizar. Embora os módulos DDR3 ofereçam um pequeno ganho de desempenho, a diferença de custo ainda era grande na época de lançamento, de forma que as memórias DDR2 continuaram sendo usadas como padrão em todas as placas de baixo e médio custo.

Um exemplo de placa baseada no P45 é a Gigabyte EP45-UD3L, um modelo Mini ATX sem vídeo onboard, que oferece um único slot PCIe x16, combinado com mais 4 slots x1, dois slots PCI, 6 portas SATA e um total de 12 portas USB. Devido ao uso do chip ICH10 (e não do ICH10R) ela não oferece suporte a RAID, mas assim como em outros casos é possível criar arrays RAID via software, usando as ferramentas disponíveis no Windows e Linux.

Em vez de utilizar heat-pipes ou um regulador de tensão com 8 ou 12 fases, ela utiliza dissipadores de alumínio e um regulador de tensão relativamente modesto, com apenas 4 fases, compensando a economia com o uso de capacitores de estado sólido, bobinas de ferrite nos reguladores de tensão e um PCB com uma camada mais espessa de cobre nas trilhas, o que resulta em uma placa bastante robusta.

index_html_1221ab3e

Gigabyte EP45-UD3L

Voltando ao P45, o chipset permite o uso de 4 módulos de memória com 4 GB cada (ou dois módulos de 8 GB), o que permite um máximo de 16 GB de memória RAM. Como de praxe, o modo dual-channel é ativado automaticamente ao utilizar os módulos em pares. Assim como o P35 e outros chipsets anteriores, o P45 oferece suporte ao Flex Memory, que permite ativar o dual-channel mesmo ao utilizar dois módulos de capacidade diferente.

Oficialmente, o chipset suporta até 1333 MHz de FSB e até 800 MHz para a memória, mas na prática ele suporta também FSB de 1600 MHz e 1333 MHz para a memória (em overclock), com muitas placas permitindo ir bem mais longe. Isso se deve à política conservadora da Intel, que quase sempre certifica os chipsets com frequências bem inferiores às que eles são efetivamente capazes de suportar, como objetivo de que eles funcionem estavelmente em qualquer situação. É graças a isso que placas voltadas para o mercado entusiasta suportam overclocks tão generosos.

Assim como o X38, o P45 oferece suporte ao padrão PCI Express 2.0. Embora a ponte norte ofereça apenas 16 linhas (assim como no P35), o P45 permite que elas sejam divididas entre dois slots, criando assim dois slots PCIe 2.0 com 8 linhas de dados cada. Essa é uma solução muito mais elegante que a configuração assimétrica (x16/x4) usada nas placas com o P35, que foi logo explorada pelos fabricantes de placas, levando ao lançamento de muitas placas de médio custo com suporte ao CrossFire.

Placas PCI Express 1.0 podem ser usadas diretamente em slots PCIe 2.0 e mesmo placas PCIe 2.0 funcionam diretamente em placas com slots PCIe 1.0, embora com uma possível redução de desempenho devido ao barramento mais lento. A princípio, o ganho de desempenho é apenas incremental, já que as placas de vídeo atuais são bem atendidas pelos slots x16 e a maioria dos demais periféricos trabalha com folga em um simples slot x1. Entretanto, a introdução do PCIe 2.0 pavimenta o caminho para periféricos futuros.

Uma observação é que o uso do PCI Express 2.0 aumentou o consumo elétrico do chipset, fazendo com que ele consuma mais energia que o antigo P35 ao utilizar uma placa 3D dedicada, mesmo levando em conta a redução trazida pela nova técnica de fabricação. Ao usar bus de 1333 MT/s, a diferença fica em torno de 12 watts.

Acompanhando a atualização no chipset, o P45 trouxe também uma versão levemente atualizada da ponte sul, o chip ICH10. Ele manteve as mesmas funções básicas do ICH9, com 6 portas SATA, 6 linhas de dados PCIe 1.1 e 12 portas USB, incluindo apenas atualizações menores:

index_html_m1159bcfc

Assim como os demais chipsets da linha P (performance) e X (extreme), o P45 não possui um chipset de vídeo integrado, presumindo que você vá utilizar uma placa dedicada. O vídeo integrado é encontrado apenas nos chipsets da família G (graphics) e Q (corporate), que são destinados a placas de baixo e médio custo, onde o vídeo integrado é um componente fundamental para reduzir o preço final do equipamento.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X