Plugins

O yum oferece também suporte a plugins, que permitem expandir as funcionalidades do gerenciador. Dois plugins bastante populares são o fastestmirror e o protectbase.

O fastestmirror faz com que o yum cheque a velocidade dos mirrors a cada instalação e baixe sempre os pacotes a partir do mirror mais rápido (evitando os problemas de lentidão que atingem muitos usuários), enquanto o protectbase faz com que o yum dê prioridade para os pacotes dos repositórios oficiais, evitando que eles sejam substituídos por pacotes de outros repositórios adicionados manualmente.

Para ativar o fastestmirror, basta instalar o pacote “yum-fastestmirror”, como em:

# yum install yum-fastestmirror

Isso faz com que ele passe a ser usado automaticamente. Você notará que o yum passará a exibir duas mensagens adicionais durante cada operação:

Loading “fastestmirror” plugin
Loading mirror speeds from cached hostfile

Naturalmente, para que o fastestmirror possa escolher o repositório mais rápido a utilizar, é necessário que seja especificada uma lista de mirrors dentro da configuração de cada repositório na pasta “/etc/yum.repos.d”. Você notará que as entradas referentes aos mirrors oficiais incluem uma linha “mirrorlist”, que indica a localização de um arquivo com a lista dos mirrors disponíveis, como em:

[extras]name=CentOS-$releasever – Extras
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=extras

Ao adicionar novos repositórios manualmente, não se esqueça de pesquisar sobre a localização do arquivo com a lista dos mirrors, de forma a especificá-lo na configuração.

Para ativar o protectbase, instale o pacote yum-protectbase:

# yum install yum-protectbase

Para que ele se usado, é necessário adicionar a linha “protect=1” ou “protect=0” na configuração de cada um dos repositórios incluídos na pasta “/etc/yum.repos.d”. Os repositórios com o “protect=1” serão protegidos pelo protectbase, evitando que os pacotes sejam substituídos por pacotes de versões mais recentes incluídos nos repositórios adicionais. Com isso, os repositórios adicionais passam a realmente ser usados apenas para instalar pacotes que não fazem parte dos repositórios principais, reduzindo bastante a possibilidade de problemas ao usar repositórios não-oficiais.

É importante proteger pelo menos os repositórios “base” e “updates”, dentro do arquivo “/etc/yum.repos.d/CentOS-Base.repo”, como em:

[base]name=CentOS-$releasever – Base
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=os
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/os/$basearch/
gpgcheck=1
gpgkey=http://mirror.centos.org/centos/RPM-GPG-KEY-CentOS-5
protect=1

[updates]name=CentOS-$releasever – Updates
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=updates
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/updates/$basearch/
gpgcheck=1
gpgkey=http://mirror.centos.org/centos/RPM-GPG-KEY-CentOS-5
protect=1

As demais entradas devem receber a opção “protect=0”, como em:

[rpmforge]name = Red Hat Enterprise $releasever – RPMforge.net – dag
#baseurl = http://apt.sw.be/redhat/el5/en/$basearch/dag
mirrorlist = http://apt.sw.be/redhat/el5/en/mirrors-rpmforge
gpgkey = file:///etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-rpmforge-dag
gpgcheck = 1
protect = 0

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X