Athlon 64 e FX

Tudo começou com os cores ClawHammer e SledgeHammer, que foram as versões originais do K8, produzidas em uma técnica de 0.13 micron e lançadas pela AMD em 2003. Ambos tinham originalmente 1 MB de cache L2; a principal diferença entre eles era que o
SledgeHammer vinha com ambos os controladores de memória ativados, enquanto o ClawHammer vinha com apenas um, suportando apenas o modo single-channel de acesso à memória.

Muitos modelos do ClawHammer vinham com metade do cache L2 desativado (o que permitia aproveitar processadores com defeitos no cache) e existiram também versões com suporte a dual-channel (virtualmente idênticas ao core SledgeHammer), vendidas em
versão soquete 939. Na época a AMD tinha problemas para produzir os processadores em quantidade suficiente, de forma que foi lançando novas versões do jeito que conseguia, sem muita organização ou lógica.

O core ClawHammer foi utilizado nas primeiras versões do Athlon 64, sendo vendido nas versões:

Athlon 64 4000+: 2.4 GHz, 1 MB, soquete 939
Athlon 64 3700+: 2.4 GHz, 1 MB, soquete 754
Athlon 64 3500+: 2.2 GHz, 512 KB, soquete 939
Athlon 64 3400+: 2.2 GHz, 1 MB, soquete 754
Athlon 64 3200+: 2.0 GHz, 1 MB, soquete 754
Athlon 64 3000+: 2.0 GHz, 512 KB, soquete 754
Athlon 64 2800+: 1.8 GHz, 512 KB, soquete 754

Ele foi utilizado ainda no Athlon 64 FX-53 (2.4 GHz, 1 MB, soquete 939) e no FX-55 (2.6 GHz, 1 MB, soquete 939). Todas as versões do Athlon FX vinham com o multiplicador destravado, de forma a facilitar os overclocks.
Isto era utilizado pela AMD como um diferencial para justificar a diferença de preço entre os FX e as versões regulares do Athlon 64.

Note que o FX não eram vendido sob o índice de desempenho: os números seguiam apenas uma sequência crescente que indicava a “posição hierárquica” do processador, sem uma relação direta com seu desempenho.

Além de ser utilizado no Opteron, a versão do Athlon 64 destinada a servidores, o core SledgeHammer foi utilizado nos Athlon 64 FX-51 (2.2 GHz, 1 MB) e FX-53 (2.4 GHz, 1 MB), ambos vendidos apenas em
versão soquete 940, o que adicionava o custo de utilizar memórias registered. Estas duas versões (lançadas em 2003, antes do FX-53 e FX-55 baseados no ClawHammer) foram processadores “pra inglês ver”, vendidos em quantidade muito limitada. O principal
motivo da existência deles foi manter a guerra de benchmarks com a Intel.

O seguinte foi o core Newcastle, que ainda era fabricado usando a técnica de 0.13 micron, mas utilizava apenas 512 KB de cache L2, o que o tornava mais barato de produzir em relação ao ClawHammer. Ele foi vendido nas versões:

Athlon 64 3800+: 2.4 GHz, 512 KB, soquete 939
Athlon 64 3500+: 2.2 GHz, 512 KB, soquete 939
Athlon 64 3400+: 2.4 GHz, 512 KB, soquete 754
Athlon 64 3200+: 2.0 GHz, 512 KB, soquete 939
Athlon 64 3200+: 2.2 GHz, 512 KB, soquete 754
Athlon 64 3000+: 1.8 GHz, 512 KB, soquete 939
Athlon 64 3000+: 2.0 GHz, 512 KB, soquete 754
Athlon 64 2800+: 1.8 GHz, 512 KB, soquete 754

Note que, assim como no caso do ClawHammer, as versões soquete 939 eram vendidas sob um índice de desempenho mais alto, muito embora o uso do dual-channel tenha pouca influência sobre o desempenho das versões de baixo clock do Athlon 64. Isso fazia com
que um 3000+ soquete 754 acabe sendo mais rápido que um soquete 939 (que opera a apenas 1.8 GHz) na maioria das aplicações. Para quem montava um PC de baixo custo na época, valia mais à pena comprar um 3000+ soquete 754 e usar um único pente de
memória.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X