Raio X mostra a diferença entre AirPods original e um falsificado

Raio X mostra a diferença entre AirPods original e um falsificado

Os produtos falsificados hoje em dia atingiram um nível de sofisticação que, muitas vezes, os torna visual e funcionalmente idênticos aos artigos genuínos, pelo menos à primeira vista. Eles são cada vez mais visados, principalmente produtos da Apple, como os AirPods Pro já que os originais têm um preço mais salgado.

Mas no fim, o barato pode sair bem mais caro, já que esses produtos não oferecem a segurança e a qualidade dos originais. Com isso, a batalha contra eletrônicos falsificados tornou-se mais intensa, exigindo tanto dos fabricantes quanto dos consumidores um esforço significativo para evitar prejuízos nos produtos adquiridos.

Leia também:

Apple lança AirPods Pro de 2ª geração no Brasil
iOS 16 consegue identificar AirPods falsos

Usando a tomografia computadorizada como aliada

Uma ferramenta inesperada tem emergido nessa luta: a tomografia computadorizada (TC). Anteriormente reservada para diagnósticos médicos, as scanners de TC industriais, como o Neptune, encontraram uma nova aplicação na identificação de falsificações.

Esses dispositivos permitem que engenheiros inspecionem e otimizem designs ao longo do ciclo de desenvolvimento do produto, proporcionando uma visão interna que revela não apenas a estética, mas a engenharia complexa por trás dos produtos genuínos.

Foi assim que o pessoal do Lumafield resolveu usar essa tecnologia para uma análise mais profunda de produtos originais e falsificados. No foco dessa análise estão os AirPods Pro e os adaptadores de energia MagSafe 2 da Apple.

As varreduras de TC expõem os atalhos e compromissos feitos nas versões falsificadas, destacando potenciais ameaças à funcionalidade e à segurança do usuário.

Apple AirPods Pro

Baterias

Apple AirPods Pro

As baterias são fundamentais para a conveniência sem fio dos AirPods, e a análise começa nesse componente crucial. Os AirPods autênticos abrigam baterias de botão meticulosamente projetadas, otimizadas para o formato compacto e eficiência energética.

Em contrapartida, as falsificações revelam baterias de células de bolsa de íon de lítio, menos sofisticadas em construção e potencialmente menos seguras. Elas são colocadas de qualquer jeito nos espaços circulares e com isso não são adaptadas da melhor forma para garantir a qualidade do produto.

Circuitaria

Apple AirPods Pro

A análise passa para a circuitaria interna, destacando a engenharia de precisão dos AirPods genuínos, que combinam placas de circuito impresso rígidas e flexíveis para maximizar o espaço.

As falsificações, por outro lado, apresentam eletrônicos mais simples e com menos funcionalidades, comprometendo a qualidade do som já que contam com menos microfones e menos circuitos de controle.

Qualidade da Construção

Apple AirPods Pro

A discrepância na qualidade de construção é evidente, com falsificações que não oferecem carregamento sem fio ou recorrem a pesos internos para simular a sensação de produto genuíno.

A experiência tátil, a integridade estrutural e a vida útil do produto são comprometidas devido ao uso de materiais inferiores.

Apple MagSafe 2 Power Adapters para MacBook

Ciclagem de Energia

Apple AirPods Pro

A análise se estende aos adaptadores de energia MagSafe 2, revelando diferenças nas circuitarias internas e nos sistemas de ciclagem de energia.

O carregador genuíno da Apple exibe um sistema de gerenciamento de energia sofisticado, enquanto a versão falsificada carece da complexidade necessária para garantir segurança e longevidade. Isso afeta tanto o desempenho desses carregadores falsificados quanto a capacidade de gerenciar a energia fornecida aos aparelhos com segurança.

Dissipadores de Calor

Apple AirPods Pro

As varreduras de TC revelam uma diferença intrigante nos dissipadores de calor, indicando que o genuíno proporciona uma distribuição mais uniforme do calor, enquanto o falsificado é propenso a criar pontos quentes perigosos.

Qualidade da Construção

A estrutura interna densa e bem organizada do carregador genuíno contrasta com a disposição interna desorganizada do falsificado. Além disso, a falsificação apresenta uma falsa capacidade de aterramento, comprometendo a segurança.

Conclusão

Embora as diferenças entre produtos genuínos e falsificados possam ser bem sutis olhando de longe, as varreduras de TC industrial revelam contrastes significativos que afetam o desempenho e a segurança.

A escolha entre real e falsificado vali além do aspecto financeiro; é uma decisão de investir em confiabilidade e tranquilidade.

Diante dessas revelações, consumidores e fabricantes são instados a considerar não apenas o preço, mas a integridade e a qualidade intrínseca dos produtos que escolhem. A tomografia computadorizada emerge como uma aliada valiosa nessa batalha, oferecendo uma visão clara e objetiva que vai além das aparências superficiais.

Fonte: Lumafield

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X