blank blank

O básico

Em uma rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em inglês), que tem a mesma função central que o hub desempenha nas redes com fios: retransmitir os pacotes de dados, de forma que todos os micros da rede os recebam.

Os pontos de acesso possuem uma saída para serem conectados em um hub tradicional, permitindo que você “junte” os micros da rede com fios com os que estão acessando através da rede wireless, formando uma única rede, o que é justamente a configuração mais comum.

Existem poucas vantagens em utilizar uma rede wireless para interligar micros desktops, que afinal não precisam sair do lugar. O mais comum é utilizar uma rede cabeada normal para os desktops e utilizar uma rede wireless complementar para os notebooks, palmtops e outros dispositivos móveis.

Você utiliza um hub/switch tradicional para a parte cabeada, usando cabo também para interligar o ponto de acesso à rede. O ponto de acesso serve apenas como a “última milha”, levando o sinal da rede até os micros com placas wireless. Eles podem acessar os recursos da rede normalmente, acessar arquivos compartilhados, imprimir, acessar a internet, etc. A única limitação fica sendo a velocidade mais baixa e o tempo de acesso mais alto das redes wireless.

Isso é muito parecido com juntar uma rede de 10 megabits, que utiliza um hub “burro” a uma rede de 100 megabits, que utiliza um switch. Os micros da rede de 10 megabits continuam se comunicando entre si a 10 megabits, e os de 100 continuam trabalhando a 100 megabits, sem serem incomodados pelos vizinhos. Quando um dos micros da rede de 10 precisa transmitir para um da rede de 100, a transmissão é feita a 10 megabits, respeitando a velocidade do mais lento.

Para redes mais simples, onde você precise apenas compartilhar o acesso à internet entre poucos micros, todos com placas wireless, você pode ligar o modem ADSL (ou cabo) direto ao ponto de acesso. Alguns pontos de acesso trazem um switch de 4 ou 5 portas embutido, permitindo que você crie uma pequena rede cabeada sem precisar comprar um hub/switch adicional.

A principal diferença é que em uma rede wireless o meio de transmissão (o ar) é compartilhado por todos os clientes conectados ao ponto de acesso, como se todos estivessem ligados ao mesmo cabo coaxial. Isso significa que apenas uma estação pode transmitir de cada vez, e todas as estações recebem todos os pacotes transmitidos da rede, independentemente do destinatário. Isso faz com que a segurança dentro de uma rede wireless seja uma questão sempre bem mais delicada que em uma rede cabeada. Outra questão importante é que a velocidade da rede decai conforme aumenta o número de micros conectados, principalmente quando vários deles transmitem dados ao mesmo tempo.

Dependendo da potência dos transmissores nas placas e no pontos de acesso e do tipo de antenas usadas, é possível propagar o sinal da rede por 200, 300 ou até 500 metros de distância (desde que não existam obstáculos importantes pelo caminho). Usando antenas Yagi (que geram um sinal mais focalizado) e amplificadores é possível interligar dois pontos distantes a 2 km ou mais.

Isso traz mais um problema, que é a questão da interferência entre diferentes redes instaladas na mesma área. Imagine um grande prédio comercial, com muitos escritórios de empresas diferentes e cada uma com sua própria rede wireless. Os pontos de acesso podem ser configurados para utilizarem freqüências diferentes, divididas em 16 canais. Devido à legislação de cada país, apenas 11, 13 ou 14 destes canais podem ser usados e destes, apenas 4 podem ser usados simultaneamente, sem que realmente não exista interferência. Ou seja, com várias redes instaladas próximas umas das outras, os canais disponíveis são rapidamente saturados, fazendo com que o tráfego de uma efetivamente reduza o desempenho da outra.

Existe ainda a questão das interferências e de materiais que atenuam o sinal. Em primeiro lugar temos as superfícies de metal em geral, como janelas, portas metálicas, lajes, vigas e até mesmo tintas com pigmentos metálicos. Depois temos concentrações de líquido, como aquários, piscinas, caixas d’agua e até mesmo pessoas passeando pelo local (nosso corpo é composto de 70% de água).

Fornos de microondas operam na mesma freqüência das redes wireless, fazendo com que, quando ligados, eles se transformem em uma forte fonte de interferência, prejudicando as transmissões num raio de alguns metros. Telefones sem fio, que operam na faixa dos 2.4 GHz, também interferem, embora em menor grau.

Os fabricantes falam em 150 ou até 300 metros de alcance máximo, mas essas distâncias são atingidas apenas em campo aberto, em condições ideais. Na prática, o alcance varia muito de acordo com o ambiente. Você pode conseguir pegar o sinal de um ponto de acesso instalado na janela de um prédio vizinho, distante 100 metros do seu (campo aberto), mas não conseguir acessar a rede do andar de cima (a armação de ferro e cimento da laje é um obstáculo difícil de transpor). Para compensar grandes distâncias, obstáculos ou interferências, o ponto de acesso reduz a velocidade de transmissão da rede, como um modem discado tentando se adaptar a uma linha ruidosa. Os 54 megabits originais podem se transformar rapidamente em 11, 5.5, 2 ou até mesmo 1 megabit.

Temos ainda a questão da segurança: se você morar em um sobrado e colocar o ponto de acesso próximo da janela da frente do quarto no primeiro andar, provavelmente um vizinho do quarteirão seguinte ainda vai conseguir se conectar à sua rede, desde que substitua a antena da placa por uma mais potente. Existe até uma velha receita que circula pela internet de como fazer uma antena caseira razoável usando um tubo de batata Pringles. Não é brincadeira: o tubo é forrado de papel alumínio e tem um formato adequado para atuar como uma antena.

Caímos, então, em um outro problema. Você simplesmente não tem como controlar o alcance do sinal da rede. Qualquer vizinho próximo, com uma antena potente (ou um tubo de batata), pode conseguir captar o sinal da sua rede e se conectar a ela, tendo acesso à sua conexão com a web, além de arquivos e outros recursos que você tenha compartilhado entre os micros da rede, o que não é muito interessante.

Eis que surge o WEP, abreviação de “Wired-Equivalent Privacy”, que, como o nome sugere, traz como promessa um nível de segurança equivalente ao das redes cabeadas. Na prática, o WEP tem muitas falhas e é relativamente simples de quebrar, mas não deixa de ser uma camada de proteção básica que você sempre deve manter ativa. A opção de ativar o WEP aparece no painel de configuração do ponto de acesso.

O WEP se encarrega de encriptar os dados transmitidos através da rede. Existem dois padrões WEP: de 64 e de 128 bits. O padrão de 64 bits é suportado por qualquer ponto de acesso ou interface que siga o padrão WI-FI, o que engloba todos os produtos comercializados atualmente. O padrão de 128 bits, por sua vez, não é suportado por todos os produtos, mas em compensação é bem menos inseguro. Para habilitá-lo será preciso que todos os componentes usados na sua rede suportem o padrão, caso contrário os nós que suportarem apenas o padrão de 64 bits ficarão fora da rede.

Existe ainda o WPA, um padrão mais seguro, que já é suportado pela grande maioria das placas e dos pontos de acesso. Existem várias variações do WPA, que utilizam diversos sistemas de encriptação diferentes, com a opção de usar um servidor Radius para centralizar os logins da rede, opção muito usada em empresas. No entanto, o mais comum em pequenas redes é usar o WPA-PSK (o padrão mais simples), onde é definida uma chave (uma espécie de senha), usada para autenticar os clientes da rede. PSK é abreviação de “Pre-Shared Key”, ou “chave previamente compartilhada”.

Temos, em seguida, a questão da velocidade. Nas redes 802.11b, o padrão original, a velocidade teórica é de apenas 11 megabits (ou 1.35 MB/s). Como as redes wireless possuem um overhead muito grande, por causa da modulação do sinal, checagem e retransmissão dos dados, as taxas de transferências, na prática, ficam em torno de 750 KB/s, menos de dois terços do máximo.

Conforme o cliente se distancia do ponto de acesso, a taxa de transmissão cai para 5 megabits, 2 megabits e 1 megabit, até que o sinal se perca definitivamente. No Windows você pode usar o utilitário que acompanha a placa de rede para verificar a qualidade do sinal em cada parte do ambiente onde a rede deverá estar disponível. No Linux isso é feito por programas como o Kwifimanager, que veremos a seguir.

Veja que tanto na questão da segurança, quanto na questão do desempenho, as redes wireless perdem para as redes cabeadas. A maior arma das redes wireless é a versatilidade. O simples fato de poder interligar os PCs sem precisar passar cabos pelas paredes já é o suficiente para convencer muitas pessoas, mas existem mais alguns recursos interessantes que podem ser explorados.

Sem dúvida, a possibilidade mais interessante é a mobilidade para os portáteis. Tanto os notebooks, quanto handhelds e as webpads podem ser movidos livremente dentro da área coberta pelos pontos de acesso sem que seja perdido o acesso à rede. Essa possibilidade lhe dá mobilidade dentro de casa para levar o notebook para onde quiser, sem perder o acesso à web, mas é ainda mais interessante para empresas e escolas. No caso das empresas, a rede permite que os funcionários possam se deslocar pela empresa sem perder a conectividade com a rede (entrando e saindo de reuniões ou caminhando pela linha de produção, por exemplo), e basta se aproximar do prédio para que seja possível se conectar à rede e ter acesso aos recursos necessários.

No caso das escolas, a principal utilidade seria fornecer acesso à web aos alunos. Muitas lojas e a maior parte dos aeroportos pelo mundo já oferecem acesso à web através de redes sem fio como uma forma de serviço para seus clientes. Um exemplo famoso é o da rede de cafés Starbuks nos EUA e Europa, onde todas as lojas oferecem acesso gratuito à web para os clientes que possuem um notebook ou outro portátil com placa wireless.

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário