Nova FAQ Linux!

  1. RoadKill
    Vamos recriar a FAQ. A princípio vou pegar o material da antiga, ainda válido, e colar aqui. Colaborem enviando dicas e links de artigos, principalmente soluções das perguntas mais comuns.

    Instalação do Wine
    Som ALSA com chiados
    Solução para som mudo
    Codecs para vídeos
    Reproduzindo arquivos .RAM no Linux
    Source.list do debian Sid
    Configurando ADSL
    Configurando o mouse
    Veja como configurar o sudo
    Compartilhando Velox no Slackware
    Autenticando o Linux no Active Directory
    Configurando Administradores de Domínio no Samba
    Como acessar sites IE-Only no Linux
    Como restaurar o boot depois de instalar o W98
    Configuração do lilo.conf


    Atenção! Não façam perguntas ou comentários sobre a FAQ nesse tópico, os mesmos serão removidos.
  2. RoadKill
    Post original de Markos
  3. jqueiroz
    Pergunta: Meu som ALSA está com chiados, como posso resolver?

    Resposta:
    Se você usa alguma placa de som que usa o codec AC97 (muitas placas de som onboard e offboard usam, muitas mesmo), há um controle chamado "IEC598" que, quando ativado, faz com que o som gere esses ruídos quando se utiliza o sistema ALSA.

    Para resolver, é muito simples: simplesmente desative esse controle no mixer.

    Fontes:
    http://forumgdh.net/viewtopic.php?p=1291169#1291169
    http://forumgdh.net/viewtopic.php?p=1430566#1430566
  4. ortolani
    Solução para som mudo:

    Essa solução também pode valer para quando o som está completamente mudo. Tenho uma placa de som Sound Maker da Genius (Genius SM32X2) com driver Fortemedia FM801. No Linux, ela era detectada pelo ALSA e parecia funcionar, mas o som estava completamente mudo. Bastou abrir o mixer e colocar o "IEC598 Raw Data" como mudo. O estranho é que esse problema só ocorreu nas versões mais recentes do ALSA (no Mandrake 10 e no Slackware 10) e não nas antigas (do Mandrake 9.0, por exemplo).
  5. cubano
    Pacote com vários codecs para reprodução de vídeos, incluindo WMV

    Extrair os arquivos em /usr/lib/win32

    *Atualizado*
    http://www2.mplayerhq.hu/MPlayer/releases/codecs/

    Baixem o pacote cujo nome pareça com all-200X... .tar.bz2
  6. ortolani
    Como reproduzir arquivos de streaming do RealPlayer (.ram) no Linux:

    Estive tentando reproduzir por streaming arquivos de áudio ".ram" no Linux, mas com o Totem e o Mplayer não funcionava. Então, baixei uma versão do RealPlayer para Linux: http://www.real.com/linux/?src=rpbform
    É muito bom! Tocou os arquivos ".ram" normalmente.

    Obs: se estiver usando o iptables (firewall), deve liberar as portas do RealPlayer:
    iptables -A OUTPUT -p tcp --sport 1024: --dport 554 -j ACCEPT
  7. geekbr
    Pra quem tem uma conexão de banda larga e quer ter a ultimo release doa pacotes do debian, uma boa ideia seria autualizar o sistema pra versão sid de desenvolvimento que é muito estavel .. pelo menos nunca tive problemas

    Lembre-se .. o arquivo está em /etc/apt/source.list

    Depois de copiar o arquivo de os comandos
    apt-get update
    apt-get dist-upgrade

    Código (Text):
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sid main
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sid contrib
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sid non-free
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sarge main
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sarge contrib
    deb http://mirrors.kernel.org/debian sarge non-free
    deb http://mirrors.kernel.org/debian experimental main
    deb http://mirrors.kernel.org/debian experimental contrib
    deb http://mirrors.kernel.org/debian experimental non-free

    deb http://http.us.debian.org/debian/ ../project/experimental main
    #deb-src http://http.us.debian.org/debian/ ../project/experimental main
    deb http://pkg-gnome.alioth.debian.org/debian experimental main
    #deb-src http://pkg-gnome.alioth.debian.org/debian experimental main

    #Gnome
    deb http://non-us.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    deb http://non-us.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://non-us.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian unstable/contrib main non-free
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian testing/contrib main non-free
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sid main
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sid contrib
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sid non-free
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sarge main
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sarge contrib
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian sarge non-free
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian experimental main
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian experimental contrib
    #deb ftp://ftp.gnome.org/debian experimental non-free


    deb http://security.debian.org/ testing/updates main contrib

    #deb ftp://mirrors.midco.net/pub/kde/stable/3.2.2/Debian stable main

    #deb http://mirrors.isc.org/pub/kde/stable/3.2.2/Debian stable main
    #deb http://mirrors.isc.org/pub/kde/stable/3.3/Debian stable main

    deb ftp://ftp.gwdg.de/pub/linux/debian/debian testing main contrib non-free
    deb ftp://ftp.gwdg.de/pub/linux/debian/debian experimental main contrib non-free
    #deb ftp://mirrors.mathematik.uni-bielefeld.de/pub/linux/debian/debian testing main contrib non-free
    #deb ftp://mirrors.mathematik.uni-bielefeld.de/pub/linux/debian/debian unstable main contrib non-free


    #deb http://download.kde.org/stable/3.2.2/Debian stable main
    #deb http://download.kde.org/stable/3.3/Debian testing/unstable main

    #deb ftp://ftp.kde.org/pub/kde/stable/3.3/Debian stable main
    #deb ftp://ftp.kde.org/pub/kde/stable/3.3/Debian unstable main

    deb http://ftp.de.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.de.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    deb ftp://ftp.matrix.net.br/pub/debian/ stable main non-free contrib
    #deb-src ftp://ftp.matrix.net.br/pub/debian/ stable main non-free contrib
    #deb-src http://non-us.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://download.unesp.br/linux/debian/ stable main non-free contrib
    #deb-src http://download.unesp.br/linux/debian/ stable main non-free contrib
    #deb http://non-us.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb-src http://non-us.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free

    #deb http://ftp.de.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.br.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.cl.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.fr.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.hu.debian.org/debian testing main contrib non-free
    #deb http://ftp.us.debian.org/debian testing main contrib non-free


    #deb http://ftp.de.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    deb http://ftp.br.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.cl.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.fr.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.hu.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian-non-US testing/non-US main contrib non-free
    # Unstable
    #deb http://ftp.de.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    deb http://ftp.br.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp2.de.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.cl.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.fr.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.hu.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    #deb http://ftp.us.debian.org/debian unstable main contrib non-free

    # Unstable/non-US
    #deb http://ftp.de.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.br.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp2.de.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.cl.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    deb http://ftp.fr.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.hu.debian.org/debian-non-US unstable/non-US main contrib non-free

    # Stable
    #deb http://ftp.br.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp2.de.debian.org/debian stable main contrib non-free
    deb http://ftp.cl.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.fr.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.hu.debian.org/debian stable main contrib non-free
    #deb http://ftp.us.debian.org/debian stable main contrib non-free

    # Stable/non-US
    #deb http://ftp.de.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.br.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.uk.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp2.de.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.cl.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.fr.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.it.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.is.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free
    #deb http://ftp.es.debian.org/debian-non-US stable/non-US main contrib non-free abt
  8. jqueiroz
    Pessoal, vamos procurar, nas dicas, indicar em qual situação ela é útil. Isso vai ajudar muito as pessoas que estiverem procurando por soluções.
  9. cubano
    Turotial completo para instalação de ADSL (Speedy & Cia.)

    Depois dessa só não navega quem não quer :)


    Como configurar o Speedy no Linux (Mini HOWTO)

    Instalando o rp-pppoe
    O primeiro passo é baixar e instalar a última versão do rp-pppoe, que pode ser obtido no site http://www.roaringpenguin.com/pppoe/#download.

    Quem quiser pode baixar a versão RPM diretamente daqui:
    www.fortunecity.com/underworld/digitalstreet/393/rp-pppoe-3.5-1.i386.rpm

    Depois é só ir no terminal e digitar o comando (no caso do RPM):
    # rpm -Uhv rp-pppoe-3.5-1.i386.rpm

    Configurando o acesso
    Em seguida, execute o comando adsl-setup, através do qual pode-se incluir todas as informações necessárias (você precisa obtê-las com o seu provedor -- no meu caso, o Terra):

    username: xxx@terra.com.br (Nome de usuário)
    ethernet interface: eth0 (Placa de rede, a primeira é eth0 e a segunda é eth1)
    demand value: no (basta teclar enter)
    dns primario: 200.177.250.10
    dns secundario: 200.176.2.10
    password: xxx
    firewall: standalone (opção 1)

    Conectando
    O próximo passo é executar o comando adsl-start . Isso deve ser o suficiente para conectar-se a internet, e você deve obter a seguinte mensagem:

    # adsl-start
    ... Connected!


    Resolvendo problemas...

    Timeout
    Se você obtiver um "TIMEOUT", ao invés de um "Conected!", verifique:

    Você possui a última versão do rp-pppoe (3.5-1) em seu computador?

    Seu computador está com a configuração DHCP ativada? (Você pode configurar isso através do linuxconf)
    Se sim, desative colocando um IP fixo de 0.0.0.0 ou desabilite a placa de rede

    Não consigo navegar!
    Execute o comando ifconfig e observe se foi dado um endereço (inet end) para eth0 (no caso de ser a primeira placa de rede):

    # ifconfig
    eth0 Encapsulamento do Link: Ethernet Endereço de HW 00:30:21:A0:4F:95
    inet end.: x.x.x.x Bcast: x.x.x.x Masc: x.x.x.x
    UP BROADCASTRUNNING MULTICAST MTU:1500 Métrica:1
    RX packets:63 errors:0 dropped:0 overruns:0 frame:0
    TX packets:68 errors:0 dropped:0 overruns:0 carrier:0
    colisões:0 txqueuelen:100
    RX bytes:17598 (17.1 Kb) TX bytes:4905 (4.7 Kb)
    IRQ:5 Endereço de E/S:0xcc00

    lo Encapsulamento do Link: Loopback Local
    inet end.: 127.0.0.1 Masc:255.0.0.0
    UP LOOPBACKRUNNING MTU:16436 Métrica:1
    RX packets:0 errors:0 dropped:0 overruns:0 frame:0
    TX packets:0 errors:0 dropped:0 overruns:0 carrier:0
    colisões:0 txqueuelen:0
    RX bytes:0 (0.0 b) TX bytes:0 (0.0 b)

    A documentação (HOW-TO-CONNECT) do rp-pppoe diz explicitamente: "DO NOT assign an IP address to the Ethernet card".

    Assim, tudo o que precisamos fazer é remover a configuração do endereço IP de eth0, o que pode ser feito através dos comandos:

    # adsl-stop
    # ifconfig eth0 0.0.0.0
    # adsl-start

    Isso costuma resolver a maioria dos problemas.

    Para resolver definitivamente, desative a placa de rede ou atribua o IP 0.0.0.0

    Conclusão
    Após essas configurações você deverá ser capaz de conectar-se a internet através do comando adsl-start

    Para configurar a conexão para ser ativada automaticamente, execute o seguinte comando no RedHat ou distribuições compatíveis, como o Conectiva:

    # /sbin/chkconfig --add adsl

    Se você ainda tiver algum problema, procure mais informações no documento HOW-TO-CONNECT:

    # less /usr/doc/rp-pppoe-3.5/HOW-TO-CONNECT


    Tutorial feito por:
    Nelson Ferraz, nferraz at insite dot com dot br
    v0.2, Oct 31 2001

    http://www.insite.com.br/~nferraz/projetos/speedy.html

    Arrumado, corrigido e complementado por cubano :)
  10. mrcj
    Amigos posto aqui a minha colaboração para este pequeno incoveniente no Linux, nada que não possa ser contornado facilmente:
    (Testado com um mouse Optico Dr-Hank de Cinco Botões + Rodinha, baseano no artigo Brincando com Ratos de Piter Punk na Slackwarezine n° 5.):


    1° Passo: Entendendo o Mouse
    Bom, temos tquatro tipos básicos de mouse:
    Mouse Serial -> Conector DB9 ou DB25 (trapezoidal);
    Mouse PS/2 -> Conector PS/2 ou miniDIN (redondo);
    Mouse USB -> Conector USB (retângular);
    Mouse de BUS -> Aff... nunca ví um desses.
    Como o Piter disse, só os três primeiros são mais comuns, e o primeiro caminha para a extinção.

    2° Passo: Entendendo o Mouse no Linux
    Agora temos de entender como os dispositivos são entendidos pelo Linux, nos dispositivos /dev:
    Serial: /dev/ttyS*; geralmente ttyS0
    PS/2: /dev/psaux;
    USB: /dev/input/mice.
    no diretório /dev existe um link chamado mouse que aponta para o seu dispositivo, para saber qual dispositivo faça o comando:
    root@~$#ls -l /dev/mouse
    se você deseja configurar o seu mouse pode fazer isso na unha com o comando ln ou com o utilitário mouseconfig(que diga-se de passagem não configura o mouse no X).

    2° Passo: Entendendo os Protocolos do Mouse no Linux
    Seriais:
    ->gpm = bare, ms, pnp e ms3*
    ->X = Microsoft, IntelliMouse*
    PS/2:
    ->gpm = ps2, imps2*, exps2*, netmouse
    ->X = PS/2, IMPS/2*, ExplorerPS/2*, NetMousePS/2
    USB:
    ->Praticamente os mesmo do PS/2.

    Ao Trabalho:
    Configurando o GPM
    Rode o mouseconfig e restarte o gpm
    root@~$#mouseconfig
    root@~$#/etc/rc.d/rc.gpm restart
    Isso já deve funcionar bem para o gpm.

    Configurando o X
    O grande responsável pelo mouse no X é o reponsável pela configuração do X o arquivo de configuração /etc/X11/xorg.conf e temos que edita-lo para configurar nosso mouse:
    root@~$#pico /etc/X11/xorg.conf (você pode usar qualquer editor de sua preferência inclusive os gráficos, desde que você esteja no X).

    No Section "InputDevice" do mouse você tem as configurações, para o mouse de três botões PS/2 pode ser assim:
    com esta configuração seu mouse de três botões com rodinha deve funcionar muito bem, se não funcionar você pode tentar outros protocolos ou devices.

    No Section "InputDevice" do mouse você tem as configurações, para o mouse de cinco botões PS/2 pode ser assim:
    com esta configuração seu mouse de cinco botões com rodinha deve funcionar, se não funcionar é porque o mapeamento dos botões não é compativel com os aplicativos que você está usando, para contornar este problema faça o seguinte:

    root@~$#xmodmap -pp deve aparecer o seguinte:
    Funciona assim, se você clica no botão 1 ele manda o código 1 e etc..., classicamente você pode testar a rodinha no X rolando ela sobre as janelas com a barra de rolagem vertical para ver se funciona e rolar ela sobre a barra de rolagem (aqui provavelmente funciona), para configurar de um jeito que todos os aplicativos entendam faça o seguinte:
    root@~$#xmodmap -e \ "pointer = 1 2 3 6 7 4 5" (isso tudo junto), e pronto agora seu mouse funciona muito bem, porém se este mapeamento não ficar gravado, você teria que fazer o mesmo comando todas as vezes que o X fosse reiniciado, e qual a solução?, simples, automatização, para isso faça:
    root@~$#pico .Xmodmap e adicione nele:
    O arquivo deve ser salvo na sua área (~), Pronto agora isso será automatizado, e seu mouse funcionará "muito bem - obrigado".

    No meu Dr-Hank de Cinco botões com rodinha e optico, funcionou muito bem, a rodinha nas barras verticais e os botões laterais nos seus respectivos lados nas barras horizontais.

    Agradeço ao Piter PUNK e a revista eletrônica Slackwarezine, faça você os testes e configure seu mouse a seu gosto.
  11. ortolani
    Veja como configurar o sudo:

    O sudo é um comando que permite que qualquer usuário do sistema acesse programas como se fossem superusuários. É interessante usar esse recurso quando se quer, por exemplo, conectar no ADSL sem precisar logar como root ou ter que digitar a senha de root sempre.

    Logado como root, edite o arquivo /etc/sudoers. O sudoers pede o editor visudo, mas na prática não é obrigatório, pois você pode usar o editor de sua preferência: mcedit, vim, kedit... Se você nunca usou o sudo, provavelmente encontrará no arquivo sudoers algumas linhas de comandos/regras, todas comentadas. Se quiser, apague-as. No arquivo em branco, já pode começar a escrever as linhas necessárias para o funcionamento do sudo. Note que o termo "NOPASSWD" é usado para que o usuário não precise se autenticar para usar o sudo.

    Começando a edição do sudoers:

    Se quiser, pode fazer o usuário "fulano" ter acesso total pelo sudo, agindo quase como um superusuário:
    Mas atenção: esse procedimento pode não ser muito seguro, já que um usuário qualquer poderá exercer tarefas de superusuário! 8O

    É possível (e também mais seguro) liberar o acesso a apenas determinados comandos:
    Considerando que os programas "adsl-start" e "adsl-stop" estejam no diretório /usr/bin, dessa maneira você poderá conectar e desconectar na internet em ADSL sem precisar logar como root ou ter que digitar sempre a senha de root! :D (considerando que o programa a exija sempre)
    Depois da edição do sudoers, basta digitar, como usuário "fulano", sudo adsl-start e sudo adsl-stop. Pronto!

    Nunca se esqueça que é necessário deixar sempre a última linha do arquivo sudoers em branco. Neste último exemplo, o sudoers teria 3 linhas de texto: as duas primeiras com as regras do sudo e a última VAZIA! Na prática, parece ser uma exigência de sintaxe para o funcionamento do sudo. Para checar, após a edição, se a sintaxe está correta, digite, como root, visudo -c no terminal.

    Mais informações sobre como editar o sudoers, você pode encontrar no manual, digitando no terminal: man sudoers ;)
  12. RoadKill
    Compartilhando Velox no Slackware
    postado por jojotinha
    Post original http://forumgdh.net/viewtopic.php?t=194845
  13. jqueiroz
    Tutorial sobre como fazer o Linux se autenticar no Active Directory, com LDAP

    http://forumgdh.net/viewtopic.php?t=195982&start=0&postdays=0&postorder=asc&highlight=

    Contribuição do amigo Clovis Sena.
  14. --d@niel--
    Configurando Administradores de Domínio no Samba


    Pessoal, em consulta à Bíblia do Samba (o HOWTO oficial), eu descobri o "jeito correto" de tornar um usuário do domínio Samba em Administrador no Windows! :)

    As soluções abaixo foram testadas em Samba 2.x/Conectiva 9 e Samba 3.0.7/Conectiva 10. Dependendo de sua distribuição Linux, adaptações podem ser necessárias.

    Os passos para habilitar o uso de contas administrativas são:

    1) Crie um grupo Unix contendo os usuários que deverão ser Administradores do Domínio
    Edite o seu arquivo /etc/group e acrescente a seguinte linha:
    Código (Text):
    god:x:502:root,daniel
    Onde "god" é o nome do grupo, que pode ser alterado por outro de sua preferência; "502" é o UID do grupo - este número é exclusivo, logo verifique se ele não está sendo utilizado por outro grupo; e "root,daniel" indica que os usuários "root" e "daniel" participarão deste grupo. Altere para o que for apropriado.

    2) Mapeie o grupo "Domain Admins" do Samba para o seu grupo Unix
    Este procedimento difere nas versões 2.x e 3.x do Samba. Sendo assim, se você não sabe a versão de seu Samba, execute o comando "smbd -v" para verificar esta informação. Tendo em posse a versão do Samba, basta seguir os passos apropriados:

    -- Samba 2.x --
    No Samba 2.x, basta acrescentar no smb.conf a seguinte linha:
    Código (Text):
    domain admin group = god
    Onde "god" é o nome de seu grupo Unix que foi criado no passo anterior. Detalhe: este parâmetro aceita somente grupos, não queira incluir um nome de usuário nesta diretiva!
    Feita a alteração, é necessário reiniciar o serviço Samba. Para isto, você pode usar os comandos "service smb restart" ou "/etc/init.d/smb restart"

    -- Samba 3.x --
    Já no Samba 3.x, você deve executar o seguinte comando:
    Código (Text):
    net groupmap modify ntgroup="Domain Admins" unixgroup=god
    Isto associará o grupo "Domain Admins" (Administradores do Domínio) ao grupo Unix "god" (troque pelo que você definiu no passo 1).

    Pronto, a partir de agora os usuários associados ao grupo Unix configurado terão direitos administrativos nas estações Windows do domínio Samba 8)


    OBSERVAÇÕES:
    -- Ao invés de "net groupmap modify (...)", o HOWTO oficial cita o comando como "net groupmap add (...)". Porém, ao fazer isto, você criará um outro grupo chamado "Domain Admins", mas que na verdade não terá direitos administrativos. Isto se dá pois o RID (Relative Identifier) do grupo que for criado será diferente do que é usado para este tipo de grupo no Windows NT. Já o comando que eu passei modifica o grupo já existente, e este já vem com o RID apropriado. Porém, se você usa LDAP como autenticador, você deverá usar a opção ADD mesmo, pois neste caso os grupos default do NT não existirão!

    -- Os procedimentos acima dão direitos administrativos apenas às estações Windows, o que é equivalente a logar-se localmente com a conta Administrador. Se você quiser utilizar os utilitários do Windows NT para administrar o seu servidor Samba, você deverá fazer logon no Windows com o usuário root. Há meios de mudar isto, mas aí você estaria indo contra toda a filosofia de segurança dos sistemas *NIX. Maiores informações no link fornecido abaixo.

    Fonte:
    Group Mapping MS Windows and UNIX
    Tópico original:
    Ajuda com administração de rede

    []'s
  15. ortolani
    Como acessar sites "IE-only" no Linux

    Alguns sites são projetados especialmente para serem visualizados no Internet Explorer do Windows. O problema é que em outros browsers, como o Netscape, o Mozilla ou o Konqueror, a visualização ou até mesmo a utilização desses site pode ficar comprometida. Isso, a meu ver, é inevitável. :( Porém, outros sites (como o Englishtown e o Rádio Terra, citados recentemente num tópico) simplesmente parecem proíbir que internautas que não usam o Internet Explorer os acessem. Quem estiver usando o Mozilla ou outro browser (que não seja o IE), experimente acessar o seguinte endereço:

    http://estadao.englishtown.com/

    A página simplesmente não abre. Afirma que o site só poderia ser "visualizado corretamente" no Internet Explorer. Pura lorota! :evil: É possível visualizar e trabalhar normalmente nesse site em qualquer browser que tenha Flash, não apenas no IE! A solução é burlar a verificação do nome do browser. Usuários do Linux podem fazer isso facilmente pelo Konqueror. Entre em "Configurar Konqueror" no menu Configurações. Entre na tela de "Identificação do Navegador" e desmarque a opção "Mandar identificação" e clique em Aplicar e OK. Limpe seus cookies e cache do browser depois disso, só por precaução, para não deixar rastros do acesso anterior. Feche o Konqueror e abra-o novamente. Tente entrar no site de novo:

    http://estadao.englishtown.com/

    Obs: se o Konqueror perguntar se pode armazenar os cookies desse site, aceite sempre!

    O site funcionará normalmente, como no IE!! :D Mas não se esqueça que os plugins Macromedia Flash Player 7 devem estar instalados e habilitados no Konqueror, pois o site usa flash.

    Esse truque que descobri há uns meses talvez possa servir pra maioria dos sites que aceitam apenas acessos de usuários IE (o que acabava impedindo a entrada de usuários de outros browsers e do Linux) ...mas vejam que é possível burlar isso!

    Espero que aproveitem a dica! ;)
  16. true
    Pessoal, tudo belezinha?

    Estava com o Linux Conectiva 10 e o Windows 98SE instalados no meu HD, tive de reinstalar o Windows por motivo de vírus, resultado: apagou a MBR, e o efeito era entrar no Windows direto.
    Vou deixar postado como eu consegui restaurar (reinstalar) o GRUB na MBR (sem reinstalar o Linux), para os usuarios que estão começando agora poder fazer, foi facil, facil. Eu sou novato, e consegui, vocês conseguiram é moleza.
    Eu não tinha o disco de boot do Linux. Mas ...
    Pessoal, se tiverem o CD de instalação do Conectiva 10, de o boot pelo CD.
    No boot, já apresenta de cara as opções abaixo:

    Conectiva Linux 10 (Graphic Interface)
    Conectiva Linux 10 (Text Interface)
    Conectiva Linux 10 (Expert)
    Conectiva Linux 10 (Vesa Driver)
    Conectiva Linux 10 (With Modules Disk)
    Conectiva Linux 10 (Failsafe)
    Conectiva Linux 10 Rescue Image
    Memory Testing Utility
    Media Check Utility

    Selecione a parte que deixei sublinhado.

    As telas são sempre interativas, e de boa interpretação.
    A 2ª tela é para selecionar o idioma. (botão Selecionar)
    A 3ª tela: "Bem-vindo ao Disco de Recuperação..." (botão Continuar)
    A 4ª tela apresenta as opções:

    1 Obter dados do meu computador.
    2 Recuperar instalação do GRUB.
    3 Ativar LVM.
    4 Ativar RAID.
    5 Configurar teclado.
    6 Carregar módulo.
    7 Executar chkrootkit.
    0 Sair.

    Selecione a 2 (sublinhada)

    Da 5 à 8ª tela, são informativas dizendo que o arquivo referente ao GRUB é menu.1st, e está na partição tal e caminho tal. Na 7ª tela exibe todas as linhas de comando do arquivo, e na seguinte pede confirmação para a instalação na MBR.
    E destas telas teclas respectivamente, YES, OK, EXIT e YES.

    e tá beleeeeezinha. Boa Sorte.

    Obs: Não fiz testes mas acho que serve para todos os tipos de Windows.

    FalÔ.
  17. geekbr
    Lilo.conf Basico, estou escrevendo um manual mais abrangente sobre ele e atualizo aki !!

    vga = 773 (ativa uma resolução decente pro terminal)
    lba32
    boot=/dev/hda (está gravando o lilo na mbr)
    root=/dev/hda2 (onde fica sua partição /)
    install=/boot/boot-menu.b
    default=linux (imagem padrão do start)
    map=/boot/map
    timeout=50 (tempo pra iniciar o sistema default)
    prompt

    # Imagens !!!!

    image=/vmlinuz
    label=older
    read-only

    image=/boot/2.6
    label=linux
    read-only

    other=/dev/hda3
    label=windows
  18. jqueiroz
    Dica do C1R4N:

    Adicionando suporte para o modem PCTEL HSP56 em Kernel 2.6

    http://forumgdh.net/viewtopic.php?t=193396
  19. AntonioFC
    Eu conheço como " IEC 958 "

    Deve ser isso ,não ? :D
  20. jqueiroz
    Bem, a confusão de números é possível --- o importante é lembrar que isso acontece com quem tenha placa de som baseada no codec AC97.

    Mais uma dica:

    Estou encontrando mensagens "APIC Error on CPU0: 40(40)" nos logs do sistema. O que está acontecendo???

    Outros códigos possíveis:
    Código (Text):
    "APIC Error on CPU0: 02(02)"
    "APIC Error on CPU0: 08(08)"
    "APIC Error on CPU0: 04(04)"
    etc.

    Estas mensagens aparecem quando o Kernel não consegue tratar uma interrupção em máquinas que trabalham com APIC. Isso pode acontecer pelo Kernel estar compilado com alguma opção incompatível com a placa mãe, ou por problemas na BIOS. Em todo caso, há 3 alternativas para solucionar este problema:

    1) Iniciar o sistema com a opção "noapic".

    Essa opção pode ser incluída na linha de comando do LILO, manualmente, ou então inserida diretamente no comando, usando alinha abaixo no arquivo lilo.conf:

    append = " noapic"

    Aqueles que utilizam o GRUB podem modificar o arquivo /boot/grub/menu.lst para incluir a diretiva.

    2) Recompilar o Kernel

    As opções de manipulação de APIC ficam próximo da opção de usar multi-processamento (SMP), no menu de configuração do kernel.
    Como esta opção altera o tratamento de interrupções, eu acho que é preciso recompilar também os módulos do sistema.

    3) Atualizar a BIOS da máquina.

    Até onde eu pude ver, há relatos de que esse problema pode ser solucionado com a atualização da BIOS da máquina.