Questões Relevantes sobre o Linux

Por:

Andei passando algumas semanas trabalhando no Kurumin, sem atualizar o site com muita frequência. É mais divertido trabalhar com desenvolvimento do que escrever documentação, mas vou tentar continuar fazendo as duas coisas 🙂

Recebi um mail do Adilson silva com uma série de perguntas gerais sobre o Linux, que resolvi começar respondendo para desenferrujar os dedos. Boa leitura 🙂

“Porque não é incentivado o uso de distribuições que facilitariam para quem vem do Windows, como o Kurumin, que tem apenas um programa para cada função, já que ter muitas opções não ajuda muito e torna as distro enormes?”

Não é verdade que o Kurumin tem apenas um programa para cada função. A idéia geral é esta, mas nem sempre é possível encontrar um programa “perfeito” que atenda todas as necessidades de todo mundo.

Por exemplo, o Kurumin 2.02 vem com dois programas de visualização de vídeo, o Mplayer e o gXine. O gXine é o mais equilibrado, abre vários formatos de vídeo, incluindo Divx, além de DVDs e VCDs. Apesar disso, o Mplayer abre vários formatos de vídeo que o gXine não abre e trabalha muito melhor com arquivos de vídeo corrompidos, além de ser uns 25% mais rápido.

O programa do Mplayer é que ele precisa ser compilado com otimizações para uma plataforma específica. No Kurumin eu uso o Mplayer compilado para processadores 686, família que inclui o Pentium II, Pentium III, Celeron, Pentium 4, Athlon e Duron, mas depois de fora os processadores K6, MMX, C3 e Crusoé.

Como você pode ver, nenhum dos dois programas atende a todas as necessidades, por isso é preciso manter os dois.

Isso acaba acontecendo em outras áreas. Por exemplo, no campo dos programas de mensagem instantânea, temos o SIM que é rápido e fácil de usar, mas que suporta apenas o ICQ e o MSN, o Kopete que suporta vários protocolos mas é instável, o Gaim que também suporta vários protocolos mas tem uma interface ruim e não suporta algumas funções e assim por diante.

Algumas pessoas gostam mais do Kopete, outras do SIM, do Gaim ou mesmo do Licq, por isso é complicado para as distribuições incluírem apenas um deles, desprezando os usuários dos demais.

A forma colaborativa como o Linux é desenvolvido incentiva o aparecimento de mais e mais programas, por isso acredito que a quantidade de programas disponíveis vá aumentar com o passar do tempo. A solução que vejo para este problema é que as distribuições incluam apenas um ou dois programas de cada tipo, os que atendam a uma parcela maior dos usuários e adicionem alguma forma fácil de instalar os demais.

Lembre-se que as distribuições são plataformas completas, que visam atender à todas as necessidades dos usuários, por isso é normal e até desejável que elas sejam grandes. É importante gastar alguns minutos durante a instalação desmarcando os programas de que você não precisa para instalar um sistema mais enxuto e adaptado às suas necessidades. Tenha em mente que os outros programas podem ser instalados posteriormente se necessário.

No Kurumin por exemplo eu estou usando a idéia dos ícones mágicos, onde você pode ver uma lista com os programas mais usados e instalar qualquer um com apenas alguns cliques. O Mandrake, Red Hat, etc. incluem gerenciadores de software, onde você pode ver os programas disponíveis e também instalar de uma forma fácil.

Uma coisa que poderia ajudar bastante seriam sites com “diretórios” de programas, onde você pudesse encontrar descrições dos programas disponíveis em cada área, ver screenshots e ler instruções de como instalá-los em cada distribuição. O superdownloads.com.br está fazendo algo neste sentido, vale à pena acompanhar o trabalho deles.

“O Linux se desenvolve muito rápido e a cada semestre(?) já existe uma atualização das distribuições. É realmente importante para um usuário doméstico acompanhar essa velocidade atualizando ou até mesmo instalando do zero em tão pouco tempo? Ocorre um ganho real de desempenho nessas distros?”

Na verdade temos atualizações importantes todos os dias. Então seis meses é um tempo até muito grande. O Kurumin mesmo é atualizado praticamente a cada duas ou três semanas, mas mesmo assim tem gente usando o 1.2 ou 1.4 até hoje.

Se uma determinada distribuição está funcionando bem na sua máquina e você está satisfeito, não existe motivo para ter pressa em atualizar não é mesmo? Tem muita gente que usa o Windows 98 até hoje, mesmo que o 2000 e o XP sejam melhores em vários aspectos. A vantagem das distribuições Linux é que novas versões podem ser obtidas muito facilmente, basta baixar os ISOs, comprar aqui no GdH ou esperar que os CDs saiam em alguma revista.

Mas, por outro lado, o que você acharia de ter que esperar um ano por uma versão atualizada da distribuição X que finalmente trouxesse suporte à placa de rede do seu notebook por exemplo? Ou dois anos por uma atualização daquele programa que você usa diariamente mas que por algum motivo vive fechando sozinho?

As atualizações são necessárias. Mesmo no Windows temos atualizações praticamente todos os dias no Windows Update. Muitas delas são correções para problemas graves que você é praticamente obrigado a instalar. Afinal, é melhor ter uma atualização disponível do que ter que conviver com o problema indefinidamente não é? Se você acha que não precisa, ou que o trabalho não vale à pena, você simplesmente não instala. 🙂

As atualizações no Kernel trazem principalmente melhoras no suporte a Hardware e em alguns casos ganhos de desempenho em algumas áreas. Você espera por uma nova versão da distribuição com uma atualização no Kernel se a sua placa de som ou rede não está funcionando por exemplo. Junto com as atualizações no Kernel as distribuições geralmente trazem melhorias nos sistemas de detecção de Hardware para que os novos dispositivos suportados sejam detectados automaticamente.

Normalmente são lançadas atualizações do Kernel “avulsas”, para cobrir este lapso de tempo entre uma versão e outra. No Debian por exemplo você pode instalar um novo Kernel dando um “apt-get install kernel-image-2.x.x” e depois “apt-get install kernel-modules-2.x.x”, onde o 2.x.x representa a versão desejada e depois seguindo as instruções do script de instalação.

No Mandrake você pode ver as atualizações no Centro de Controle > Gerenciador de Software > Mandrake Update. Até o Kurumin já entrou na onda com o Kernel 2.6 Testing do Prometeus 🙂

Em segundo lugar vem as atualizações do Xfree, que também são importantes, pois trazem suporte a mais placas de vídeo e melhorias diversas nos drivers das placas já suportadas anteriormente. Por exemplo, o Xfree 4.3 usado no Mandrake 9.1 por exemplo, trouxe suporte a várias placas da SiS e até um novo driver de vídeo que é usado quando você roda o Linux dentro do VMware. As atualizações do X não são tão freqüentes quanto as atualizações do Kernel, geralmente temos um intervalo de 6 a 9 meses entre cada atualização importante.

As próximas em ordem de importância são as atualizações no KDE e Gnome, que são responsáveis por melhorias na interface, novos programas para tarefas diversas, uma melhor integração entre os programas existentes, mais opções de customização, etc. Estas são as mudanças que você pode notar mais facilmente no dia a dia.

As atualizações no Kernel e no Xfree são mais “invisíveis”, pois atuam no suporte a hardware. Você geralmente não quer saber muitos detalhes técnicos sobre como foi desenvolvido o driver para a sua placa de som, quer apenas que ela funcione.

Finalmente, temos as atualizações nos próprios programas, que geralmente são os mais fáceis de atualizar, você precisa apenas ir na página oficial e procurar um pacote .rpm ou .deb para a distribuição que estiver usando. No Debian ou Kurumin é mais fácil, pois você precisa apenas dar um “apt-get install programa”.

Se você já estiver usando a versão mais recente do programa vai receber uma mensagem como esta:

root@kurumin:~# apt-get install k3b

Reading Package Lists… Done
Building Dependency Tree… Done
k3b is already the newest version.
0 packages upgraded, 0 newly installed, 0 to remove and 0 not upgraded.

Caso contrário o apt-get vai informar quais pacotes serão baixados e pedir sua confirmação antes de fazer a atualização:

root@kurumin:~# apt-get install mplayer-686

Reading Package Lists… Done
Building Dependency Tree… Done
The following extra packages will be installed:
libxvidcore2
Suggested packages:
w32codecs
Recommended packages:
mplayer-fonts
The following NEW packages will be installed:
libxvidcore2
1 packages upgraded, 1 newly installed, 0 to remove and 299 not upgraded.
Need to get 2950kB of archives.
After unpacking 2245kB of additional disk space will be used.
Do you want to continue? [Y/n]

Se a versão atual da distribuição está funcionando bem na sua máquina, reconhecendo todos os dispositivos, então você pode passar vários anos atualizando apenas os programas que você mais usa. Deixe para atualizar tudo quando você for reinstalar o sistema.

Lembre-se que você não precisa “formatar tudo” ao reinstalar o sistema. Da primeira vez que for instalar crie uma partição /home separada e armazene todos os seus arquivos nela. Ao reinstalar o sistema formate apenas a partição raiz /, mantendo esta partição /home intacta. Durante a instalação aproveite para criar novamente os mesmos logins de usuário que você esta usando na anterior.

Você notará que não apenas os seus arquivos continuarão no mesmo lugar, mas também as configurações individuais dos programas serão preservadas. Os bookmarks do Mozilla continuarão os mesmos, o Kmail continuará com todos os seus mails e assim por diante. Eu falo bastante sobre isso no primeiro capítulo do meu e-book, mas a moral da história é que tomando este cuidado simples, as atualizações e reinstalações podem ser feitas de uma forma muito menos traumática.

“Você sabe se existe em algum lugar com uma lista com os programas existentes para linux e suas utilizações listadas individualmente já que existe tantos programas alguma coisa assim ajudaria bastante em uma seleção. Existem programas bons para se substituir totalmente o KDE e o Gnome em máquinas antigas?”

Tem uma página bem interessante que traz uma longa tabela dos programas mais usados no Windows e programas semelhantes disponíveis no Linux. É um bom lugar para pesquisar:

http://linuxshop.ru/linuxbegin/win-lin-soft-en/

Outra tabela semelhante (em Português) mantida pelo Kalicrates está disponível neste tópico do Fórum:

https://www.hardware.com.br/comunidade/lista-25/50420/

Se você gosta de jogos, veja também esta tabela do TonyWalker, postada no fórum do Kurumin:

http://www.guiadohardware.info/forum/viewtopic.php?t=1111

Se você estiver procurando por uma lista mais extensa de programas, incluindo os ainda em estágio inicial de desenvolvimento, dê uma olhada no http://freshmeat.net/ e no http://sourceforge.net/. Estes dois sites funcionando como uma espécie de incubadora de novos projetos, oferecendo hospedagem e outros recursos. Juntos os dois sites hospedam mais de 120.000 projetos diferentes que abrangem todo tipo de aplicação.

Se você já escolheu alguns programas e está em busca dos pacotes de instalação propriamente ditos, veja o http://www.rpmfind.net/ e o http://www.debian.org/distrib/packages

Não falei muito sobre a instalação dos programas propriamente dita pois falo bastante sobre isso no Entendendo e Dominando o Linux, onde você pode tirar suas dúvidas:

http://www.guiadohardware.info/livros/linux/index.html

Sobre o Autor

Redes Sociais:

Deixe seu comentário