Benefícios do SSD para o seu notebook Acer e o futuro para esse padrão de armazenamento [VÍDEO]

Por: Acer
Benefícios do SSD para o seu notebook Acer e o futuro para esse padrão de armazenamento [VÍDEO]

Um dos upgrades mais importantes que você pode promover em qualquer computador é a transição de um HD para um SSD. Ambos são unidades de armazenamento, mas são bem diferentes no que podem oferecer em termos de performance para o seu jogo ou tarefas do dia a dia. Neste artigo você irá entender os benefícios do SSD para o seu notebook Acer e o que podemos esperar para o futuro desse padrão de armazenamento. 

Quando falamos de SSD estamos lidando com uma unidade de armazenamento em estado sólido, que tem como base os chips de memória Flash NAND e uma controladora, arranjo diferente em relação aos HDs que tem um funcionamento mais mecânico.

Só para deixar mais claro essa diferença, observe a imagem abaixo. No lado esquerdo você tem a constituição de um HD e no lado direito a anatomia de um SSD. Só pela imagem fica nítida a diferença de composição entre essas unidades.  

O HD funciona como um bom “relógio suíço”, uma engrenagem que tem que estar em pleno funcionamento para que você possa extrair o melhor desempenho dessa unidade.  

SSDs são mais similares aos pendrives, por exemplo, uma placa de circuito com bancos de memória, uma controladora e, em alguns casos, cache DRAM para intensificar a performance. 

Essas diferenças em design significam também diferenças práticas. Equipar seu notebook Acer com um SSD, ou até mesmo adquirir um modelo que já tenha essa unidade de armazenamento como opção, significa na prática uma redução no tempo para a inicialização dos seus programas e jogos ou até mesmo reduzir o tempo de boot, ter o Windows prontamente apto em menos tempo comparado com a mesma máquina com um HD. Esses pontos acabam sendo determinantes para que você ganhe em produtividade ou até mesmo em experiência in game. 

De nada adianta uma super configuração, que passa por um bom processador, placa de vídeo e conjunto de memória RAM, se a unidade de armazenamento é o gargalo de toda sua configuração, o fator limitador da performance da máquina. 

Podemos fazer uma comparação com os novos consoles que chegarão ao mercado este ano. Diferentemente do PS4 e Xbox One, que ainda utilizam HDs como unidade principal de armazenamento, o PS5 e o Xbox Series X terão SSDs de alta velocidade. Essa mudança é uma forma de entregar ao gamer uma experiência mais rápida, já que ele terá um ganho no tempo de carregamento do jogo, com telas de loading quase inexistentes, e até mesmo permitir que o desenvolvedor consiga entregar jogos mais exigentes em termos técnicos, como o uso de texturas em altíssima resolução.  

O custo dos SSDs vem diminuindo ao longo dos anos, à medida que que novas características técnicas são implementadas, como as unidades que usam memórias do tipo QLC, por exemplo. No entanto, SSDs de alta capacidade ainda tem um preço bem elevado, principalmente no Brasil.  

A saída no caso passa por uma integração entre HD e SSD. Um HD de alta capacidade para manter os dados brutos da máquina, e no SSD você armazena os softwares e jogos que serão utilizados com mais frequência, se beneficiando do ganho em velocidade que um SSD garante. 

Quando lidamos com notebook, um dispositivo que tem a mobilidade como uma das vantagens quando comparado ao desktop, o uso de um SSD também acaba sendo mais interessante em relação à integridade da máquina. Ao transportar seu note por aí, é importante que você saiba que trepidações acabam prejudicando os HDs ao longo dos anos, justamente por sua composição mecânica. Nos SSD esse tipo de problema não acontece. 

Opções de notebook Acer com SSD 

 Há diversos notebooks Acer vendidos no Brasil que já saem de fábrica com um SSD pré-instalado, como o Aspire 3, modelo mais pensado para tarefas do dia a dia, ou até mesmo modelos mais parrudos, como o Acer Predator Helios 300, direcionado ao público gamer/entusiasta. 

O Aspire 3 vem com um SSD M.2 de 256 GB, enquanto o Predator Helios 300 segue a integração entre HD+SSD. Um SSD de 128 GB e um HD de 1 TB. Confira abaixo as especificações desses modelos e os respectivos links na loja oficial da Acer. 

Aspire 3 A315-54-561D 

  • Tela: 15,6 polegadas com resolução HD; 
  • Processador: Core I5 – 10210U; 
  • Memória RAM: 4 GB DDR4; 
  • Armazenamento interno: SSD de 256 GB.

Link deste modelo na Acer Store

Predator Helios 300 PH315-52-748u 

  • Tela: 15,6 polegadas com resolução Full HD; 
  • Processador: Core i7-9750H; 
  • Memória RAM: 16 GB DDR4; 
  • Placa de vídeo: GTX 1660 Ti; 
  • Armazenamento interno: SSD M2 de 128 GB + HD de 1 TB.

Link deste modelo na Acer Store

O futuro dos SSDs 

Você pode instalar no seu notebook tanto SSDs de 2,5 polegadas quanto os M.2 2280, fator de forma que é cada vez mais comum no mercado.  

Para uso doméstico, o M.2 pode ser encarado como o grande futuro para os SSDs, assim como o uso do barramento PCIe, que garante taxas de leitura e escrita bem mais elevadas, já temos no mercado unidades com taxas de transferência que ultrapassam a casa dos 5.000 MB/s, como, por exemplo, o Aorus Gen4 da Gigabyte. Altas taxas de transferência são muito importantes quando lidamos com tarefas como edição de vídeo em alta resolução ou modelagem 3D, por exemplo.  

SSD M.2

Para entregar uma taxa de transferência tão elevada este SSD é baseado em PCI-Express 4.0, barramento que ainda não é tão comum no mercado quanto o PCI-Express 3.0, mas o movimento natural é essa transição, à medida que mais processadores e placas-mãe sejam compatíveis com ele. 

O mercado de SSDs continuará crescendo nos próximos anos. Dados da MarketsandMarkets revelam a perspectiva de crescimento para o mercado de unidades de estado sólido. A expectativa é que este mercado passe de US$ 26,5 bilhões (registrado em 2018) para US$ 60.2 bilhões em 2023. Muitos fatores contribuem para esse crescimento, como a adoção em massa de SSDs em data centers, e o entendimento do consumidor sobre os benefícios de um SSD comparado ao HD.  

O futuro dos SSDs passa por unidades com maior capacidade de armazenamento e com preço mais em conta, justamente melhorar o que sempre foi um dos maiores empecilhos para a compra de um SSD, o custo por giga comparado aos HDs.  

Para conseguir cumprir esse objetivo, a indústria está perseguindo novas maneiras em relação ao uso de chips de memória Flash NAND. Há cerca de uma década lidávamos com SSDs apenas com chips Flash NAND SLC, isto é, 1-bit por célula. Atualmente temos no mercado SSDS QLC (armazenamento de 4-bits por célula). Essa transição do SLC para o MLC (2-bits por célula), TLC (3-bits por célula) e agora o QLC, contribuem para que o custo dos SSDs seja reduzido.  

É importante pontuar que essa transição tem um impacto na redução da vida útil da unidade. Como estamos falando de chips NAND a adição de mais bits por célula (no caso 4 com o QLC) reduz a quantidade de vezes que ela pode ser reescrita. No entanto, há recursos como o mecanismo de correção de erro ou de redução de desgaste que dão uma boa ajuda na questão do tempo de vida útil do SSD. SSDs QLC também são mais modestos em relação às taxas de leitura e escrita, os fabricantes balanceiam isso com o uso de cache SLC. 

A indústria não irá parar no QLC, tanto Toshiba quanto a Intel já estão falando na produção de chips NAND com 5-bits por célula, o FLC, ou PLC. Essa questão de armazenar mais bits por célula tem também um impacto direto no TBW (terabytes written),  que é a quantidade de dados que podem ser gravados na unidade antes que ela comece a passar por problemas de desgaste. Entretanto, na prática, uma redução no TBW médio acaba não trazendo um grande impacto para o consumidor final, já que um SSD QLC, por exemplo, está apto a escrever mais de 50 GB/dia durante alguns anos. Essa quantidade de escrita de dados está bem acima do que a grande maioria dos usuários faz no dia a dia.  

Quando falamos de chips Flash NAND lidamos nos últimos anos com o conceito de 3D NAND, que, ao invés de células alinhadas verticalmente (2D) temos uma sobreposição em camadas, por isso 3D. 

Essa disposição é fundamental para que os SSDs tenham mais densidade, isto é, mais capacidade de armazenamento. 96 camadas é o ponto que está se tornando cada vez mais comum no mercado, em conjunto com chips Flash 3D NAND TLC ou QLC. Até 2021 a expectativa é que a indústria alcance 150 camadas! 

O futuro é dos SSDs. Eles agregam na performance geral da sua configuração, independente da tarefa. Utilizar um software ou curtir aquele seu game preferido será melhor se você tiver um SSD.  

Sobre o Autor

Fundada em 1976, a taiwanesa Acer é uma empresa de tecnologia dedicada à concepção, venda e suporte de produtos inovadores que melhoram a vida das pessoas e as mantém atualizadas e conectadas. Com cerca de 7 mil funcionários, a Acer engloba desde tecnologia ligada à Internet das Coisas para jogos a realidade virtual, com equipe dedicada à pesquisa, design, marketing, venda e suporte de produtos e soluções que quebram barreiras entre pessoas e tecnologia. No Brasil, a Acer está presente há 11 anos e encontra-se entre as líderes em faturamento e volume de vendas no varejo. Com sua linha atual de produtos focada em notebooks, monitores, projetores e acessórios para diversos tipos de uso, a Acer possui equipamentos com alta performance, design com conteúdo e recursos eficientes e inovadores para o gamer, designer, educadores, escritórios e uso doméstico.
Leia mais
Redes Sociais:

Deixe seu comentário

X